Procon dá prazo para que bancos minimizem prejuízos que a greve dos bancário está causandos

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

procon

Representantes das instituições bancárias que atuam no Amazonas participaram na manhã desta quarta-feira, 21 de outubro, de uma reunião na sede da Secretaria Executiva de Proteção e Orientação ao Consumidor (Procon-AM) para discutir propostas de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), na tentativa de minimizar os reflexos ocasionados pela greve dos bancários, iniciada no dia 6 de outubro. Além das superintendências dos bancos, também estiveram presentes à reunião representantes dos Ministérios Públicos Estadual e Federal e do Sindicato dos Bancários do Amazonas.

A secretária executiva do Procon-AM, Rosely Fernandes, citou dois exemplos de transtornos ocasionados pela greve ao consumidor: a ausência de cédulas nas máquinas de auto atendimento e o fato de lotéricas e supermercados que só aceitam receber pagamentos em espécie. Ela conclamou os representantes de bancos a avaliarem as sete proposituras feitas pelo Procon-AM e a viabilidade de executá-las.

Os representantes das instituições bancárias pediram um prazo para encaminharem às sedes nacionais dos bancos os pontos apresentados pelo órgão de defesa do consumidor e retornarem com uma contraproposta. Também foi dada a sugestão de ser criado um canal mais estreito de comunicação entre os bancos e o Procon-AM com o intuito de dar mais celeridade à resolução de problemas envolvendo as instituições bancárias e os clientes.

Diálogo – Para o procurador federal da República no Amazonas, Rafael Rocha, a reunião foi bastante produtiva, pois todas as partes se mostraram abertas para o diálogo. “Houve divergências pontuais em relação a alguns termos da proposta, mas creio que devemos continuar investindo neste processo de negociação para em breve termos uma solução concreta em benefícios dos consumidores”, disse o procurador.

O procurador de Justiça do Ministério Público Estadual, Otávio Gomes, também sugeriu aos representantes dos bancos que fossem adotadas medidas para massificar informações junto aos meios de comunicação e também de uma forma personalizada para que os consumidores saibam como eles devem agir durante este período de greve.

A secretária executiva Rosely Fernandes afirmou que irá aguardar os dez dias dados às instituições bancárias para poder sentar novamente com elas e dar um retorno da viabilidade ou não da assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta