Prefeitura intensifica a vacinação contra o sarampo

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

A partir de segunda-feira, 5/3, a Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), vai intensificar a vacinação contra o sarampo em todas as 185 salas de vacina, sendo 183 nas Unidades Básicas de Saúde do município e duas particulares.O reforço considera os alertas emitidos pela Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (MS), inclusive em conjunto com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), referente ao surto de sarampo no Estado de Bolívar, na Venezuela, fronteira com Roraima, informando a notificação de 857 casos suspeitos de sarampo, com a confirmação de 465 casos.

A ação também está prevista na nota técnica conjunta das secretarias de saúde do estado e município e Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) com orientações sobre a intensificação das ações de vigilância epidemiológica das doenças exantemáticas e diagnóstico diferencial, e a Nota Técnica Conjunta nº001/2018, que alerta sobre a possibilidade de reintrodução do vírus do sarampo em Manaus e em municípios da área metropolitana do estado do Amazonas.

Para isso, a Semsa recebeu do Ministério da Saúde 30 mil doses da vacina tríplice viral e os profissionais das unidades com sala de vacina estão sendo orientados a estarem atentos a todas as oportunidades de vacinação do público-alvo da vacina.

“É importante alertar à população manauara, que tem a Venezuela como principal destino turístico, os riscos da falta de prevenção contra o Sarampo, doença infecciosa e altamente contagiosa, com transmissão semelhante a da gripe e que pode levar o indivíduo a desenvolver complicações e até ao óbito em consequência da infecção”, destaca o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

Sintomas

O vírus do sarampo encontra-se em circulação há mais de oito meses na Venezuela, colocando todas as regiões vizinhas em alto risco de introdução do vírus. A recente confirmação de um caso importado da doença na cidade de Boa Vista (RR) e o fluxo migratório Venezuela / Boa Vista / Manaus determinou o estado de alerta.

De acordo com a Nota Técnica, é considerado caso suspeito de Sarampo todo indivíduo que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre e exantema máculopapular (manchas vermelhas na pele), acompanhados de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite; ou todo indivíduo suspeito com história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias, ou de contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior.

Com relação à rubéola, são suspeitos todos os pacientes que apresentarem febre e exantema máculopapular (manchas vermelhas na pele), acompanhado de linfadenopatia retroauricular (nódulos na região atrás da orelha), occiptal (lateral da cabeça) e/ou cervical (pescoço), independentemente de idade e situação vacinal; ou indivíduos com febre, acompanhada de exantema ou linfadenopatia (nódulos ou inchaço) com as características mencionadas acima e que tenha história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias, ou de contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior.

Imunização

A vacinação é a principal medida de prevenção do sarampo e rubéola e, de acordo com o Calendário Nacional de Vacinação, a mesma deve obedecer aos seguintes esquemas, conforme faixa etária e histórico vacinal:

– Aos 12 meses de idade: uma dose da vacina Tríplice Viral (contra Sarampo, Caxumba e Rubéola).

– Aos 15 meses de idade: uma dose da vacina Tetra Viral (contra Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela) ou, na ausência dessa, uma dose da vacina Tríplice Viral + uma dose da vacina contra Varicela, simultaneamente.

Crianças de 12 meses a menores de 5 anos que perderam a oportunidade de receber a vacina na idade ideal, pode ser utilizado este esquema, respeitando o intervalo de 30 dias entre as doses.

De 5 a 29 anos: necessidade de comprovação de duas doses da vacina Tríplice Viral. Não vacinado ou sem comprovação vacinal, administrar duas doses da vacina Tríplice Viral, respeitando o intervalo de 30 dias entre as doses.

Dos 30 aos 49 anos, se não vacinado ou sem comprovação vacinal, administrar uma dose da vacina Tríplice Viral.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta