Polícia diz que estourou “Casa de Massagem” e massoterapeutas protestam: “É prostíbulo”

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O anúncio da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), de que desarticulou uma “casa de massagem” na rua Mem de Sá, bairro Dom Pedro, zona centro-oeste, gerou reação de massoterapeutas nas redes sociais. Eles fizeram um apelo no sentido de que este tipo de estabelecimento seja tratado pelo nome que realmente representa, um prostíbulo.

No local, foram encontradas porções de drogas, bebidas alcoólicas, maquinetas de cartão de crédito e um livro, onde eram registrados os ganhos do dia, além dos nomes de clientes. Oito mulheres foram encontradas no local. A operação foi coordenada pelo secretário de Segurança, coronel Louismar Bonates, com o apoio da Polícia Militar, dentre eles, os policiais do Comando de Policiamento Especializado (CPE). De acordo com Bonates, a denúncia informava que na residência funcionava uma casa de prostituição com som alto até altas horas da noite.

“Nós encontramos aqui tráfico de drogas, máquinas de cobrança da prostituição que acontece aqui, som alto. Viemos aqui e comprovamos, uma delas chegou a confessar que vende drogas”, informou.

A Polícia Civil vai investigar o caso. O material apreendido foi levado para a Delegacia-Geral. As mulheres também foram conduzidas e autuadas pelo crime de desobediência.

Reação dos massoterapeutas

“Sei que mundialmente há uma compreensão quase irrefutável do que a expressão “casa de massagem” significa.  Em respeito a uma categoria que tanto luta para driblar preconceitos, que tal se pudéssemos adotar em nossos textos expressões que se aproximam, de fato, da realidade? Se um local oferece serviços sexuais mediante a pagamentos efetuados por seus frequentadores, o nome dessa prática é PROSTITUIÇÃO, não MASSAGEM. A luta é tão grande que existe uma data específica (25 de maio) para homenagear nós, MASSOTERAPEUTAS e MASSAGISTAS”, protestou o jornalista e massoterapeuta há quase 20 ANOS, Gustav Cervinka.

“Uma diferença básica entre o uso de uma terminologia e outra é quantidade de horas de formação e/ou quantidade de habilitações que cada um possui. Uma curiosidade MUNDIAL que traduz essa realidade composta de tantas injustiças e discriminação é a história da Massagem Tailandesa. Em resumo, deixo registrada aqui minha indignação ao ultrapassado, inapropriado, inadequado e desnecessário uso do termo “casa de massagem” no lugar de “prostíbulo””, acrescentou.

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta