ONG encaminha adolescentes venezuelanos ao mercado de trabalho em Manaus

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Um grupo de 50 adolescentes venezuelanos está contando com apoio da ONG Hermanitos para obter a primeira oportunidade no mercado de trabalho em Manaus. Eles são os primeiros participantes do Workshop Hermanitos de Empregabilidade para Jovens, realizado em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR),para beneficiar adolescentes e jovens venezuelanos com avaliações psicológica e comportamental, palestras de marketing pessoal e saúde mental, além de dicas para preparação de currículos e oportunidades de aprendizagem e estágio.

A primeira edição foi realizada no início deste mês no Palacete Provincial de Manaus, localizado no Centro da cidade, e atendeu a um público de 14 a 23 anos. Foi uma oportunidade para adolescentes como o venezuelano Jose Rodríguez, 15 anos, de conhecer mais sobre formações e oportunidades de aprendizagem no Brasil, e obter dicas para conquistar a primeira oportunidade no mercado.
“Meu sonho é trabalhar com marketing digital, estou estudando para conseguir alcançar esse objetivo. O workshop tem trazido coisas importantes sobre esse primeiro contato com o mundo profissional, e de como devemos nos preparar, estudando, se esforçando e organizando”, destaca Rodriguez, que veio acompanhado da mãe, Naomi Rodriguez Mendonza, 53.
A família veio em 2018 do estado de Aragua, e tem contado com apoio do Hermanitos em diversas iniciativas de qualificação, incluindo os Workshops, Jornadas de Empregabilidade, sessões de orientação para processos seletivos e mercado de trabalho, e aulas de português.
“Quero voltar a trabalhar com massoterapia no Brasil, o que eu fazia na Venezuela. Estamos batalhando de diversas formas para manter a casa, mas também procurando estudar. Estou estudando português, e decidi trazer meus filhos e sobrinho para este curso de vocações, pois quero que sejam aprendizes. Está trazendo muitas dicas importantes para mim, e imagino que para eles também”, destaca a venezuelana Naomi, que está há três anos no Brasil.
Para a coordenadora do projeto Hermanitos, Djane Medeiros, a estratégia do workshop é criar um ambiente para abordagem de temas que são importantes nesta fase da carreira, como organização e preparação profissional.
“Queremos desenvolver todo o potencial que estes jovens têm para suas carreiras. A partir dos testes comportamentais e entrevistas realizadas com os jovens, nós poderemos identificar necessidades e oferecer treinamentos e outras iniciativas para o grupo, acompanhando seu desenvolvimento até o mercado de trabalho”, destaca a coordenadora.
Segundo o assistente sênior de Soluções Duradouras do ACNUR em Manaus, Rafael Yoshida Machado, o workshop e o acompanhamento dos jovens pelo Hermanitos possibilitam que refugiados possam pensar em carreira no longo prazo ao chegarem no Brasil.
“Estas ações são estratégicas pois convocam os jovens a refletirem sobre perspectivas profissionais além do curto prazo, ou seja, para além da chegada e da sobrevivência, os convidando a pensar no futuro de uma carreira sustentável no longo prazo em Manaus ou onde tiverem interesse, chegando melhor preparados para processos seletivos e para o mercado de trabalho brasileiro”, destaca Machado.
Novos Workshops devem ser realizados, com programação a ser divulgada no site do Hermanitos. Juntos, ACNUR e a ONG têm promovido uma série de iniciativas voltadas à empregabilidade de refugiados e migrantes venezuelanos, além de brasileiros, em nível local. São realizadas interações com empresas e categorias profissionais no Amazonas, com agências de recursos humanos, além de workshops e cursos técnicos para pessoas refugiadas e migrantes que estejam em Manaus.
O projeto recebe o apoio de doadores como o Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do Departamento de Estado dos Estados Unidos, que realiza importantes contribuições flexíveis, possibilitando que o ACNUR e seus parceiros desenvolvam diferentes projetos e ofereçam proteção aos mais vulneráveis em contexto emergência.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta