O Amazonas é credor, não devedor

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Por Arthur Virgílio Neto*

O ministro Paulo Guedes é talentoso e capaz. Tem a cabeça nas reformas estruturais e, se as conseguir, terá preparado o país para anos seguidos de crescimento econômico sustentável, com inflação baixa, desemprego cadente, renda menos injustamente distribuída.

Certamente entenderá e explicitará que a questão Zona Franca de Manaus não se limita ao tempo de duração dos incentivos fiscais que a têm sustentado. O modelo precisa de reformas profundas; não de limitações. Ele mantém a floresta em pé e, se fosse o contrário, o Brasil enfrentaria graves problemas políticos, diplomáticos e, no extremo, até mesmo militares.

Ele precisa de apoio claro e lúcido do governo federal; nossas internet e telefonia celular tornam os negócios mais lentos; não temos hidrovias e deveríamos começar a tê-las pelo rio Madeira; Manaus, que sedia o Polo Industrial vive à beira de um caos portuário; os resquícios da recente recessão econômica de 30 meses deixou sequelas sociais e econômicas perversas; o parque industrial, que ameaça cair em obsolescência, precisa urgentemente incorporar a biodiversidade ao seu processo produtivo.

São medidas urgentes. Devem começar a ser implementadas imediatamente. Restringir incentivos e desestimular as empresas a investir, significaria ameaçar a floresta e abrir espaço para graves repercussões aqui e no exterior.

O Amazonas é o maior pagador de tributos federais do Norte, que inclui Pará, Tocantins, Pará, Acre, Rondônia e Roraima. É credor e não devedor. 

A floresta amazônica é um dos pontos mais fortes de mitigação das consequências inevitáveis, e já em curso, do aquecimento global. O presidente Trump é irresponsável quando se retira do Clube de Paris tenta negar a existência do aquecimento global.
É puro provincianismo ignorar a relevância planetária da Amazônia. Como dizia o Conselheiro Acácio, aquele de Machado de Assis, as consequências vêm depois.

É tempo de parceria verdadeira entre o Brasil e sua região mais estratégica. Estou seguro de que o ministro Paulo Guedes entenderá isso privilegiadamente. Quando o presidente Castelo Branco e Roberto Campos criaram a Zona Franca, pensavam, respectivamente, em segurança nacional e em desenvolvimento econômico. Hoje, temos o componente ambiental a tornar quadro mais delicado ainda. 

Inescapável aceitar verdade tão cristalina. 

Voltarei ao assunto nos próximos momentos.

*O autor é prefeito de Manaus

Qual Sua Opinião? Comente: