Na TV, Amazonino reafirma que vai assumir os R$ 300 pagos pelo Governo Federal, criando o Renda Manaus

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O candidato a prefeito de Manaus pela Coligação Juntos Podemos Mais, Amazonino Mendes, reafirmou, em entrevista à TV Amazonas, na noite desta terça-feira (24/11), que pretende, se for eleito, implantar o Programa Renda Manaus, com R$ 300 mensais e vigência por quatro anos. Ele disse que essa renda mínima será importante para dar suporte às famílias, especialmente nesse momento de crise em decorrência da pandemia de Covid-19, com o desemprego crescendo em Manaus.

A capital amazonense tem a maior taxa de desempregados, 18,5%. Ele explicou que os R$ 300 serão direcionados às 137 mil pessoas cadastradas no Programa Bolsa Família, que ficarão sem o auxílio emergencial do governo federal, já com data para encerrar no final do ano. 

Amazonino destacou ainda que, na área de educação, a sua principal meta de governo é a implantação de Escolas de Tempo Integral, com alimentação para os alunos e prática de esportes. Dessa forma, as mães e os pais vão poder deixar os filhos em segurança e bem cuidados, para poder trabalhar com tranquilidade.

Ao encerrar, ele se disse preparado para administrar Manaus, colocando sua experiência e capacidade de trabalho a serviço da construção de uma cidade melhor e mais humana. 

Vacinação

Em entrevista à CBN Amazônia, nesta terça-feira (24/11), o candidato a prefeito de Manaus pela Coligação Juntos Podemos Mais, Amazonino Mendes, declarou que, se eleito, vai tomar as medidas necessárias, de imediato, para dar apoio às famílias atingidas pela crise gerada pela pandemia de Covid-19. E garantir o acesso da população à imunização contra o coronavírus, assim que a vacina for liberada pela Anvisa.

Amazonino afirmou que é importantíssima a discussão e a tomada de decisões para garantir a vacinação contra a Covid-19, única forma de combate à doença e de frear os impactos sociais-econômicos que tem provocado em Manaus.

Enquanto a vacina não for liberada, ele disse que, se estiver na Prefeitura, seguirá com campanhas educativas incentivando as proteções individuais, com o uso de máscaras e álcool em gel, seguindo todas as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Vamos também preparar Manaus para receber a vacina. Ninguém está falando nisso e a vacina de Oxford já foi aprovada, a vacina chinesa já foi aprovada. Temos que organizar a estrutura, para quando houver a liberação”, ressaltou Amazonino, na rádio CBN.

Segundo ele, caso seja eleito, está preparado para manter o auxílio financeiro que será cortado pelo governo federal no início do ano. Na sua gestão, ele anunciou que irá implantar o Renda Manaus, já a partir de janeiro de 2021, com auxílio de R$ 300 mensais para as pessoas que ficarem sem receber do governo federal e que estiverem cadastradas no Programa Bolsa Família. Em Manaus, são 137 mil pessoas. O auxílio terá vigência de quatro anos.

“Vamos fazer de forma séria, decente, competente e eficaz. Eu conheço a fundo e sei das consequências (econômicas) se não fizer. O governo federal já anunciou que vai parar de dar o auxílio de R$ 300. Vamos dar, com consciência. É preciso”, frisou Amazonino.

Ele explicou que o recurso vai evitar o colapso econômico na cidade, permitindo a manutenção dos empregos. “O valor para atender essa demanda será de cerca de 7,5% do orçamento. Vale a pena, porque você vai dar para quem precisa e não é só assistencial, não é caridade, como muitos possam pensar. Você está salvando o comércio, salvando os empregos”, concluiu.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta