Mobilização vai tentar derrubar veto de Bolsonaro à projeto que beneficia historiadores

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Em função do veto integral do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao Projeto de Lei (PL) de número 368/2009, de autoria do senador Paulo Paim (PT/RS), que regulamentava a profissão de historiador, o deputado federal José Ricardo (PT) promoveu reunião virtual com os profissionais da área, que decidiram fazer uma mobilização junto às bancadas federais dos Estados, solicitando aos parlamentares que revertam a decisão.

Representantes da Associação Nacional de História – ANPUH, professores das Universidades do Estado e Federal, do ensino fundamental e médio participaram da reunião. Dentre as atribuições previstas na proposta, estava o de garantir que profissionais com formação específica lecionem no ensino básico (fundamental e médio) a disciplina de história. A ausência de lei regulamentadora implica também em desvantagens profissionais significativas. Os órgãos públicos como Museus, Tribunais, Casas Legislativas, Arquivos, Bibliotecas, dentre outros, só podem fazer concurso para historiador se houver a regulamentação.

O Ministério da Economia e a Advocacia-Geral da União recomendaram o veto por acreditar que o projeto, ao disciplinar a profissão de historiador com a imposição de requisitos e condicionantes, restringe “o livre exercício profissional”, mesmo já existindo para outras profissões como geógrafos, contadores, advogados, geólogos, químico, biólogo, psicólogo, economista, museólogo, arquivista e sociólogo e outras categorias.

José Ricardo disse que é um absurdo vetar a regulamentação da profissão de historiador e atuará para tentar derrubar o veto a esse projeto junto a bancada amazonense, classe política, a categoria e a sociedade. “O que está em jogo, principalmente, é uma iniciativa para reconhecer a formação e a importância dos historiadores nos órgãos públicos, com possíveis desdobramentos positivos para a formação profissional, ao tornar a carreira um pouco mais atraente para os jovens. Temos hoje um presidente vetando muitas matérias que tratam dos direitos do cidadão, da comunicação e agora da história”, disse o parlamentar.

“O presidente quer negar a história, como no caso da escravidão, das lutas dos negros e o seu direito à liberdade; e da situação dos povos indígenas e os conflitos na demarcação de suas terras. Por isso, assumo aqui o compromisso de estar junto em mais uma luta de trabalhadores, ao lado dos historiadores e da história deste país”, concluiu.

 

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta