Ministério Público vai tentar impedir leilão das sedes de Rio Negro e Ideal e reverter venda do prédio do Fast

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O Ministério Público do Estado do Amazonas, através de sua 47ª Promotoria de Justiça de Fundações e Massas Falidas, instaurou procedimentos para apurar os casos envolvendo prédios de três entidades tradicionais, ligadas à história de Manaus: o Rio Negro Clube, o Ideal Clube e o Nacional Fast Clube. Os procedimentos têm o objetivo de apurar a venda, ou o anúncio, dos respectivos prédios dessas entidades.

Sobre o Rio Negro, a titular da 47ª PJ, Promotora de Justiça Kátia Oliveira, explica que tomou conhecimento, por intermédio de veículos de imprensa, que sede do clube, localizada em frente a Praça da Saudade (Avenida Epaminondas, 570 – Centro), será leiloada no dia 30 de novembro de 2020, por decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT11). E que, de acordo com o presidente Jefferson Oliveira, o prédio, que é tombado pela Câmara Municipal de Manaus, está avaliado em R$ 80 milhões e será leiloado para o pagamento de dívidas trabalhistas de cerca de 9 milhões. Por isso, a 47ª PJ instaurou Inquérito Civil para apurar a regularidade da situação, podendo culminar, caso seja considerado necessário, em ação judicial visando corrigir irregularidades ou anular o leilão como um todo.

Em relação ao Nacional Fast Clube, também foi aberto um Inquérito Civil para apurar a legalidade da venda da antiga sede, localizada no Boulevard Amazonas, para uma igreja. Segundo a Promotora Kátia Oliveira, a diretoria do clube informou que o dinheiro da venda do prédio serviu para a compra de uma nova sede, localizada em outro endereço. Da mesma forma será iniciada investigação sobre a destinação do prédio do Ideal Clube, localizado na avenida Eduardo Ribeiro, centro. Segundo a Promotora, “Todas essas sedes são patrimônio histórico tombado, portanto aquele que quiser comprar não vai poder fazer nada no local, pois tem que preservar o patrimônio dessa cidade. Está na hora de nós apurarmos e entendermos o que está acontecendo com o futebol amazonense e o por que dessa pressão para os clubes venderem suas sedes.”

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta