Máscara profissional tem que ser usada em conjunto com protetor facial

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Ao contrário do que muitos pensam, a máscara N95/PFF2 com válvula, ou produto similar, não pode ser utilizada como controle de fonte, pois permite a saída do ar expirado que, caso esteja infectado, poderá contaminar pessoas próximas. Por isso, a indicação é que ela seja utilizada junto à viseira, também conhecida como Face Shield. É o que aponta a Nota Técnica nº5, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), vinculada ao Ministério da Saúde (MS).
O documento foi lançado em função da pandemia do novo coronavírus, que já soma quase 70 mil mortes no Brasil e 1,755 milhão de infectados. A Nota foi atualizado em 24 de junho deste ano.

A recomendação trata das orientações para a prevenção e o controle de infecções pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) em instituições de longa permanência para idosos. Mas, segundo a responsável pelo Núcleo de Educação Permanente da Associação Segeam (Sustentabilidade, Empreendedorismo e Gestão em Saúde do Amazonas), enfermeira Adriana Macedo Cabral, serve para todos que atuam na área da saúde.

Ela explica que, segundo a Nota Técnica, o uso da viseira serve como forma de mitigação para o controle de fonte. E em unidades de saúde públicas e privadas, a recomendação tem sido a mesma.

De acordo com Adriana, os enfermeiros e demais profissionais associados à Segeam, têm utilizado os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) simultaneamente, atitude que tem ajudado no controle às infecções hospitalares em geral.

“O uso do face shield ajuda, principalmente, a evitar a contaminação por gotículas e aerossóis, ou seja, aquelas que ocorrem pelo ar ou por contato com secreções tais como as oriundas da saliva, espirro, tosse e escarro”, destaca.

Os aerossóis podem se formar, ainda, durante certos procedimentos realizados por profissionais de saúde que atuam, em especial, nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), como a reanimação de pacientes com paradas cardiorrespiratórias, intubação ou aspiração traqueal, ventilação não invasiva, ventilação manual antes da intubação, coletas de secreções nasotraqueais, broncoscopias, etc.

A nota destaca que quando o profissional de saúde ou cuidador atuar em procedimentos com risco de geração de aerossóis, em residentes suspeitos ou confirmados de infecção pelo SARS-CoV-2, deve utilizar a máscara de proteção respiratória (respirador particulado) com eficácia mínima na filtração de 95% de partículas de até 0,3μ (tipo N95, N99, N100, PFF2 ou PFF3).

A enfermeira também reforça que o uso de luvas, capotes, álcool gel 70% antisséptico, protetores de cabelo e sapatos, auxiliam na redução de contágio.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta