Manaus pode se beneficiar da disputa entre Bolsonaro e Dória, recebendo antes a vacina

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Há uma grande expectativa entre as autoridades de saúde do Amazonas para o anúncio que o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, fará neste final de semana em Manaus, sobre a vacinação. É que eles receberam a informação de que a vacinação contra a Covid-19 poderia começar no dia 20 de janeiro, pela capital amazonense. A estratégia do Governo Federal seria começar a vacinar antes de São Paulo, onde o governador João Dória (PSDB) anunciou o início da imunização para o dia 25.

Desde o início da pandemia há uma disputa de holofotes entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o governador paulista. A avaliação no Planalto, segundo autoridades ouvidas pelo blog, é a de que permitir que São Paulo largue na frente com a vacinação é um risco político enorme, já que, se a imunização funcionar, ficaria claro que Dória tinha razão desde o início.

Mesmo se colocando na posição nagacionista em relação à pandemia, Bolsonaro não estaria disposto a correr o risco de boicotar a vacinação e ser cobrado por isso depois. O Ministério da Saúde já havia anunciado ainda em dezembro que deverá começar a vacinação entre 20 de janeiro e 10 de fevereiro de 2021, mas que precisa que “os fabricantes obtenham o registro [das vacinas da Covid-19] junto à Anvisa. As declarações do secretário-executivo Élcio Franco ocorreram após posicionamento da Pfizer, que disse que o Brasil exige “análises específicas” que deixam o processo mais lento. “Na melhor hipótese, nós estaríamos começando a vacinação a partir do dia 20 de janeiro. Num prazo médio, entre 20 de janeiro e 10 de fevereiro. E no prazo mais longo, a partir de 10 de fevereiro”, disse o secretário-executivo.

Pazuello anunciou ontem que desembarca com todo o seu staff em Manaus neste final de semana, para ajudar no combate à pandemia. A capital amazonense é a mais atingida neste momento pela chamada segunda onda da Covid-19.

 

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta