Mais de 70% dos acidentes com animais peçonhentos no AM envolvem serpentes

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

As serpentes seguem como as principais causadoras de acidentes envolvendo animais peçonhentos no Amazonas. De janeiro a outubro deste ano, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) registrou 2.371 acidentes. Desses, 1.691 ocorreram por serpentes, o que representa 71,3% do total de casos de animais peçonhentos no estado.

Embora as serpentes se mantenham à frente no ranking de causadores dos acidentes por animais peçonhentos, houve uma redução em 11,2% dos casos envolvendo esses répteis no comparativo entre janeiro e outubro deste ano e o mesmo período no ano passado, quando foram registrados 1.906 casos.

Em segundo lugar, o escorpião é o animal que mais causa acidentes por animais peçonhentos no Amazonas. O levantamento da Gerência de Zoonoses da FVS-AM aponta para 350 acidentes por esse invertebrado no período de janeiro a outubro de 2020. A lista de animais que mais causam acidentes inclui aranhas (146), abelhas (33) e lagartas (21).

A diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, ressalta que acidentes por animais peçonhentos foram incluídos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na lista de doenças tropicais e acometem comumente a região amazônica, principalmente, devido à subida e descida do nível dos rios amazônicos.

“A prevenção contra acidentes por animais peçonhentos deve ser objeto de atenção de todos. São notificações que podem ser reduzidas com a colaboração mútua de todos”, afirmou.

O médico veterinário Deugles Cardoso, da Gerência de Zoonoses da FVS-AM, aponta a necessidade das secretarias municipais de saúde do Amazonas atuarem no combate a acidentes por animais peçonhentos a partir da prevenção. “Prevenir é sempre melhor para evitar novos casos. A higiene do local e evitar o acúmulo de coisas são medidas para prevenir esses acidentes”, ressaltou.

Os animais peçonhentos estão presentes em diversos ambientes, na maioria rurais, mas também podem aparecer no meio urbano, sendo surucucus e jararacas as mais presentes no Amazonas. Muitos dos acidentados são adultos jovens do sexo masculino, e o tratamento é feito com soro antiofídico, que deve ser realizado de maneira específica para neutralizar os efeitos do veneno.

O tempo decorrido entre o acidente e a soroterapia é o fator mais importante para se obter o prognóstico. Por isso, a FVS-AM orienta que quem sofreu acidente, por serpente ou por qualquer outro animal peçonhento, deve procurar imediatamente a unidade de saúde mais próxima. Outra recomendação é verificar possíveis sinais de envenenamento, como dor e inchaço progressivo no local da picada.

Em Manaus, os atendimentos de pacientes vítimas de acidentes por animais peçonhentos são atendidos na Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT/HDV) que é referência de tratamento com soroterapia para esses tipos de acidentes. Contato telefônico da FMT/HDV: (92) 2127-3555.

Números

Os municípios que mais apresentaram notificações de acidentes por animais peçonhentos, durante o período de janeiro a outubro de 2020, Manaus (234), Itacoatiara (148), Parintins (129), Apuí (128), Maués (82) e São Gabriel da Cachoeira (82).

De janeiro a outubro de 2019, foram notificados 2.796 casos no Amazonas contra 2.371 registrados no mesmo período de 2020, o que representa uma redução de 15% na comparação dos dois períodos. De janeiro a dezembro de 2019, foram notificados 3.325 casos no Amazonas.

Prevenção

As recomendações para se prevenir de acidentes com animais peçonhentos incluem usar calçados e luvas nas atividades rurais e de jardinagem; examinar calçados, roupas pessoais, de cama e banho, antes de usá-las; afastar camas das paredes e evitar pendurar roupas fora de armários; não acumular entulhos e materiais de construção; e limpar regularmente móveis, cortinas, quadros, cantos de parede.

Recomenda-se ainda vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros e rodapés; utilizar telas, vedantes ou sacos de areia em portas, janelas e ralos; manter limpos os locais próximo das casas, jardins e quintais; evitar plantas tipo trepadeiras e bananeiras junto às casas e manter a grama sempre cortada; e limpar terrenos baldios, pelo menos na faixa de um a dois metros junto ao muro ou cercas.

Referência

A FVS-AM é responsável pela Vigilância em Saúde do Amazonas, incluindo o monitoramento de indicadores de acidentes com animais peçonhentos, por meio do Departamento de Vigilância Ambiental e Controle de Doenças (DVA/FVS-AM) via Gerência de Zoonoses (GZ/DVA/FVS-AM).

A instituição funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na avenida Torquato Tapajós, 4.010, Colônia Santo Antônio, Manaus. Os números para contato são (92) 3182-8550 e 3182-8551. Os contatos específicos do DVA/FVS-AM e GZ/DVA/FVS-AM são, respectivamente, 3182-8547 e 3182-8544.

FOTO: Girlene Medeiros

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta