Maior drama hoje é a logística de transporte do oxigênio, que é complicada

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

A força-tarefa montada pelo Governo do Amazonas e Ministério da Saúde (MS), para transportar oxigênio para o Amazonas, envolve uma série de protocolos para a segurança dos profissionais envolvidos na operação e para garantir que o insumo chegue às unidades para pacientes que necessitam. Caso um único cilindro se rompa dentro de uma aeronave, o poder de destruição é similar ao de um míssil. Sem ligação terrestre trafegável com o restante do país, a alternativa mais ágil é o transporte aéreo.

Em um reservatório chamado de ‘bala’, por exemplo, a pressão é de 200 bar. É como abastecer com 200 litros em um reservatório onde cabe apenas um litro. Além disso, os cilindros precisam ser transportados na vertical. Caso contrário, o oxigênio se movimenta em direção ao local de saída do gás e o perigo de rompimento também é altíssimo.

Aviões cargueiros conseguem transportar apenas cilindros de oxigênio. Já em estado líquido, esse transporte tem sido feito pela Força Aérea Brasileira (FAB), que desembarcou, na madrugada desta sexta-feira (15/01), 6 mil litros de oxigênio líquido da empresa White Martins, fornecedora do Governo do Estado. A carga, que veio de São Paulo, veio em 6 isotanques de mil litros para ser distribuída nos hospitais da rede estadual. Os insumos estão sendo transportados ao longo da semana da cidade de Guarulhos (SP) e chegarão a 22 mil metros cúbicos de oxigênio.

Nesse momento, as unidades de saúde de Manaus estão sobrecarregadas e sofrem com a escassez de oxigênio devido ao aumento da demanda nos últimos 15 dias. Há uma grande mobilização nacional para enviar cilindros com o gás para o Amazonas, porém, esse transporte não é simples e precisa seguir esses protocolos.

Doações – Por conta da grande mobilização nacional para fazer doações ao Amazonas, o Comitê de Resposta Rápida – Enfrentamento Covid-19 disponibilizou contatos para interessados em contribuir com oxigênio, os telefones são: (92) 99220-2712 e (92) 99455-2001 e (92) 99182-8974. Já para doações de outros insumos, o contato é outro: (92) 98233-4555.

FOTO: Herick Pereira

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta