Loja de produtos de beleza é interditada pela terceira vez na zona Leste

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Uma loja de produtos de beleza, localizada na rua Autaz Mirim, zona Leste, foi interditada nesta quarta-feira, 20/5, pela Vigilância Sanitária municipal (Visa Manaus). O serviço não é essencial e já havia sido interditado outras duas vezes por descumprir a regra de funcionamento do comércio durante a pandemia de Covid-19. A ação atende ao decreto nº 4.795, assinado pelo prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto.Desta vez, a inspeção foi realizada com o apoio da Delegacia Especializada em Crimes contra o Consumidor (Decon-AM), órgão da Polícia Civil, e com suporte da Polícia Militar, com quem a Vigilância vem atuando em parceria desde a semana passada para coibir o funcionamento irregular do comércio em Manaus.  

De acordo com a diretora da Visa, Maria do Carmo Leão, os próprios funcionários denunciaram que a loja estava funcionando, sem respeitar o lacre de interdição. “Os denunciantes disseram que o atendimento continuava a ser feito de portas fechadas para despistar a fiscalização da Vigilância e da polícia”, disse.  

Segundo a diretora, por descumprir a suspensão temporária das atividades, como havia determinado a Visa, o estabelecimento será multado e a Decon deve abrir inquérito policial. O valor da multa ainda será calculado. “Vamos considerar o tipo de infração e a reincidência”, explicou. As multas sanitárias, em Manaus, variam de 1 a 400 UFMs (Unidades Fiscais do Município), sendo que cada UFM corresponde a R$ 108,95. 

Fraude 

Responsável pela operação desta quarta-feira, o fiscal Augusto Kluczkowski Jr. destacou que o estabelecimento não realizava atividade essencial por se destinar à venda de produtos cosméticos e maquiagem. “É a terceira vez que a Vigilância vem para a interdição deste estabelecimento exatamente porque o setor de beleza não é um setor essencial de acordo com as normas vigentes”, disse.  

De acordo com o fiscal, foram colocados alguns alimentos nas primeiras prateleiras da loja, para parecer que se tratava de serviço essencial. “Foi claramente uma tentativa de burlar a fiscalização”, destacou. Além disso, disse tratar-se de fraude, uma vez que nenhum estabelecimento pode realizar atividades diferentes das originais sem informar previamente e ser autorizado pelos órgãos e de regulação e fiscalização.  

Augusto ressaltou que, no Amazonas, continua desautorizado o comércio não essencial e que apenas setores como os de alimentos e medicamentos podem funcionar. O fiscal orientou que a própria população não busque outros serviços neste momento. “É importante para manter a saúde e a segurança de todos”, salientou.  

O fiscal também disse que as pessoas podem colaborar com o trabalho da Visa Manaus, denunciando atividades irregulares. “Criamos canais exclusivos para o atendimento de demandas relacionadas à pandemia”, observou. Segundo Augusto, parte do trabalho de Vigilância é feito a partir das informações repassadas ao órgão. “O cidadão está perto dos serviços e sua contribuição é essencial”.  

Para dúvidas e denúncias, a população pode entrar em contato com a Visa Manaus pelo e-mail [email protected]gmail.com ou pelos telefones 98842-7422 e 98842-8698.  

Permanente  

As inspeções da vigilância municipal têm sido feitas diariamente, em sistema de ronda. A estratégia permite que áreas predefinidas nos mais de 60 bairros da capital estejam cobertas ao mesmo tempo. Desde a sexta-feira passada, 15/5, as inspeções foram reforçadas com a criação de uma força-tarefa executada pelos órgãos municipais e estaduais do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). 

Operações conjuntas estão sendo feitas todos os dias para verificar as condições sanitárias dos serviços essenciais e para interditar os não essenciais que estiverem contrariando as restrições que visam o enfrentamento do novo coronavírus na capital. 

Além da Visa Manaus, vinculada à Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), participam da operação as secretarias de Finanças e TI (Semef) e a de Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semacc).

Foto – Alex Pazuello

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta