Irmãos se emocionam na posse de Vânia Marinho como nova desembargadora do Amazonas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

A emoção dos irmãos Mauro Campbell Marques (hoje ministro do Superior Tribunal de Justiça) e Vânia Maria Marques Marinho, que tomou posse hoje como desembargadora do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), foi o ponto alto da cerimônia híbrida ocorrida durante sessão do Tribunal Pleno hoje. Ele foi um dos principais articuladores da escolha dela para a função. E os dois se emocionaram lembrando os pais e a irmã, já falecidos. Houve também comoção diante da lembrança da morte recente dos desembargadores Aristhóteles Thury e Djalma Martins da Costa, ambos vítimas da Covid-19. A nova magistrada substituiu este último.

“Tenho certeza absoluta que o Tribunal ganhará com o suprimento jurídico, desenvoltura, independência e altivez”, disse o presidente do TJAM, desembargador Domingos Chalub, ao saudar a nova colega, que trocou a toga do Ministério Público pela da corte com a ajuda do marido, Donato Marinho Neto, e do irmão ministro. Foi neste momento que os dois se emocionaram, com um abraço longo e apertado.

Coube ao desembargador Flávio Pascarelli o discurso de acolhida, momento em que os nomes dos dois desembargadores falecidos recentemente foram lembrados, para mais uma vez emocionar a plateia.

Já o procurador-geral de Justiça, Alberto Rodrigues do Nascimento Júnior, destacou destacou a trajetória da ex-colega. “Podemos dizer que a coordenação no Juizado da Infância e Juventude hoje é outra diante do seu trabalho”, declarou.

“Gratidão é sempre a palavra que me vem à mente e ao coração, temperada por uma ponta enorme de receio pelo novo e pela angústia que habita todo aquele a quem cabe a missão de julgar. Porém, neste momento, lembro que estarei entre grandes e generosos magistrados, que desde o primeiro instante me acolheram de forma calorosa e amiga, o que me alenta sobremaneira, pois sei que nos eminentes desembargadores e desembargadoras terei sempre a sólida orientação em minhas dúvidas e a correção tempestiva de minhas falhas com a mesma presteza e paciência”, declarou Vânia Marinho.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Humberto Martins, também participou da solenidade e se pronunciou, afirmando que Vânia Marinho “sempre desempenhou suas atividades como promotora de Justiça com competência, coragem cívica e espírito cristão de humildade”.

O discurso mais emocionado foi o de Mauro Campbell. “É um momento intenso, marcado pela grande saudade de nossos pais, de nossa irmã, sobrinha e cunhado também falecidos. Mas é, também, um momento de muita alegria, porque Vânia é um símbolo para todos nós da família, muito qualificada. As surpresas que ela reserva aos jurisdicionados amazonenses serão todas boas, tenho convicção disso. Agradeço, em nome de nossa família, ao Ministério Público, de onde também sou oriundo, e seguiremos servindo ao Amazonas, eu ao País, numa dimensão maior, cumprindo com o nosso dever e fazendo além. Temos que fazer sempre além”, afirmou.

Vânia Marinho é a terceira integrante do Pleno egressa do Ministério Público. Os outros dois são Socorro Guedes e Hamilton Saraiva. É também a oitava mulher no quadro, dias delas por convocação – Onilza Gerth e Mirza Telma de Oliveira Cunha. Estas duas últimas devem disputar as próximas vagas abertas.

Perfil

Vânia Marinho tem 61 anos, é casada, formada em Geologia e Direito pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com especialização em Direito Civil e Processo Civil; mestrado em Direito Ambiental pela Universidade do Estado do Amazonas; e cursa o doutorado em Direito na Universidade Federal de Minas Gerais.

Ingressou no Ministério Público em 1998, trabalhou nas Comarcas de Tefé e Silves, também na 44.ª Promotoria de Justiça perante a 1.ª Vara da Fazenda Pública Municipal; na 18.ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e na 52.ª Promotoria de Urbanismo. Atuou como promotora da 28.ª Promotoria de Justiça da Infância e Juventude, perante a Vara Especializada da Infância e Juventude da Comarca de Manaus.

Desde 2006 atua como professora da Universidade do Estado do Amazonas, ministrando módulos de Legislação Ambiental e disciplinas relacionadas a Crimes Ambientais.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta