Grupo de psicólogos oferece ajuda gratuita on line para quem precisa

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Com o objetivo de auxiliar pessoas que, neste período de distanciamento social estão vivenciando situações de ansiedade extrema, angústia, medo e outros males trazidos ou amplificados pela pandemia da Covid-19, um grupo formado por 60 psicólogos e/ou psicanalistas, se prontificou a oferecer um serviço especializado de escuta e orientação, mesmo à distância.

De acordo com Francisco Nogueira, psicólogo formado pela UFRJ e psicanalista membro do Departamento Formação em Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae-SP, e idealizador e coordenador da iniciativa, o serviço foi projetado para oferecer orientação especializada para a população, a partir do voluntariado de psicólogos e psicanalistas, com experiência no segmento. “Resido na cidade de São Paulo e logo que a pandemia surgiu, e com ela a necessidade de isolamento social das pessoas, fiquei muito incomodado com os males que o confinamento poderia causar às pessoas e surgiu o interesse de mobilizar profissionais que lidam com a saúde mental para, de alguma forma, auxiliá-las. Pensamos então em fazer uso de uma plataforma digital que já tínhamos e projetamos o serviço específico de escuta, que está disponível, com a participação, hoje, de 60 profissionais”, indicou o idealizador do projeto.

Aproximadamente 1.600 pessoas, de todas as partes do Brasil, já foram beneficiadas pelo serviço, desde que ele foi disponibilizado, no início da pandemia, em meados do mês de março.

Segundo Francisco Nogueira, para acessar o serviço de escuta, basta a pessoa acessar o endereço eletrônico (www.relacoessimplificadas.com.br/escuta), escolher um dos profissionais disponíveis para atendimento na semana, preencher um simples cadastro, e agendar o dia e o horário de seu atendimento. Na hora e dia marcados, o profissional (psicólogo e/ou psicanalista) entrará em contato, por chamada telefônica ou ainda chamada de vídeo, de acordo com a escolha da pessoa.

“É um serviço de acolhimento, por meio do qual, em 30 minutos de escuta, as pessoas falam de suas angústias, medos, ansiedades e outros males que a situação de confinamento tem lhes causado ou pode lhes causar. É uma escuta especializada, que não se caracteriza como uma psicologia online – e fazemos questão de evidenciar isso, pois não se trata de uma psicoterapia no sentido tradicional – , mas no entanto, tem um efeito positivo, pois a maior parte das pessoas obtém a ajuda necessária para se reorganizar e seguir a vida”, explicou.

Pandemia e impactos psíquicos

De acordo com o psicanalista Francisco Nogueira, há pesquisas indicando que situações similares às da pandemia do Covid-19, ocasionaram transtorno à saúde mental da população, fator que também motivou a criação da plataforma de atendimento e a mobilização dos psicólogos e psicanalistas que nela estão atuando.

“Venho acompanhando os impactos que esta pandemia tem ocasionado no psiquismo das pessoas em outros países. Antes de disponibilizarmos essa escuta especializada, já tínhamos informações de que na China, na Itália e na Espanha, pessoas acometidas pela doença e aquelas que não foram acometidas mas que enfrentavam o confinamento, foram impactadas em termos psíquicos. Tínhamos dados, também, indicando que nos anos de 2002-2003, no período da SARs (Síndrome Respiratória Aguda) 42% dos que enfrentaram a doença, desenvolveram algum transtorno mental. Estes também foram fatores que nos impulsionaram a disponibilizar o serviço, como uma forma de voluntariado dos 60 profissionais que fazem parte do grupo”, acrescentou o idealizador do projeto.

Nogueira informou que os 60 profissionais (psicólogos e/ou psicanalistas) que estão atuando na plataforma, têm ampla experiência no segmento e alguns, inclusive, têm experiência acadêmica, atuando como docentes. “São profissionais selecionados rigorosamente. Todos eles têm clínicas estabelecidas e uma ampla experiência comprovada e reconhecida, pois o formato do atendimento exige adaptação e experiência para lidar, inclusive, com casos complexos”, disse.

Ansiedade e relações interpessoais

Uma das profissionais que atua no projeto, a psicóloga Silvinha Meirelles, mencionou o impacto positivo que o serviço de escuta tem gerado nas pessoas. “Temos ajudado as pessoas a traduzir sentimentos e sensações que muitas vezes elas não conseguem muito identificar. Seja ansiedade, angústia ou medo, as conversas auxiliam quem nos procura a identificar, a tornar mais claro e conhecido e consequentemente a lidar com o que está sentindo. Com o avançar dos dias, neste período de pandemia e isolamento, as angustias vão mudando. Agora, por exemplo, noto que no geral surgiu, nas pessoas a indagação de “até quando isso vai durar?” e não mais o medo de ser contagiado pela doença. A angústia, nesse sentido, é de como lidar com a limitação que o novo Coronavírus tem imposto à sequência da vida”, afirmou Silvinha Meirelles.

A psicóloga mencionou que a ansiedade, a angustia e o medo (e suas consequências) são as principais questões trazidas pelas pessoas que estão acessando o serviço, além das questões envolvendo as relações interpessoais. “O isolamento tem colocado muitas relações em evidencia, as vezes entre pessoas que pouco conviviam e obrigatoriamente passaram a conviver e também – que é bastante preocupante- relações pouco saudáveis e abusivas que se intensificaram. Este, assim como a ansiedade, a angustia e o medo, é um fator de muita atenção e preocupação.”, citou.

Manaus

Sobre a situação de pandemia em Manaus, que é hoje uma das capitais com maior incidência de casos de Covid-19 no País, o psicanalista Francisco Nogueira afirmou que são muitos os atendimentos registrados, pelo serviço de escuta, oriundos da capital amazonense, e que a colaboração de profissionais da área de psicologia que atuam na cidade, é necessária e bem-vinda. “Sobretudo para os casos que exigem o encaminhamento para tratamento especializado, presencial. Neste sentido, a criação de uma rede de apoio, para atendimentos de casos que exige, atenção, é importante, e nos dispomos a receber esse feedback de quem atua na região”, concluiu Francisco Nogueira.

ACESSE

Qqualquer pessoa do Brasil pode acessar. Basta clicar aqui.

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Este post tem um comentário

  1. Luciana lino silva

    Trabalho mum hospital setor do convid 19 e nao aguento mais tive o viros nao foi sintomatica mais estou vansafa desta historia do peco a deus socorro tenho medo de pega e leva para meus marido e filha nao aguento mais

Deixe uma resposta para Luciana lino silva Cancelar resposta