Governo Federal prepara plano macro para colocar em prática na saúde do interior amazonense

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Técnicos do Ministério da Saúde percorreram os oito municípios polos do Amazonas para fazer um diagnóstico do enfrentamento da Covid-19 nas localidades. Acompanhados de uma equipe da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), a comitiva avaliou desde a logística de transporte, armazenamento e distribuição do oxigênio, até questões centrais, como a situação das unidades de saúde, organização dos fluxos de recebimento dos pacientes de Covid-19, necessidade de implantação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e atenção neonatal.

O relatório final do diagnóstico, com todas as indicações de ações e competências – federal, estadual e municipal – será entregue ao comitê de crise instalado em Manaus pelo ministro Eduardo Pazuello, no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). As medidas serão incorporadas ao plano macro em elaboração para o enfrentamento da Covid em todo o interior.

Um plano emergencial já está em execução no município de Itacoatiara. As ações foram alinhadas os governos Federal e estadual, a partir do primeiro diagnóstico, realizado no dia 24 de janeiro. Esse plano emergencial deverá ser ajustado com os dados dos demais municípios.

Receberam a visita técnica os municípios de Itacoatiara, Manacapuru, Parintins, Tabatinga, Lábrea, Humaitá, Eirunepé e Tefé. Municípios polos são definidos por sua localização geográfica e por apresentarem uma melhor infraestrutura, servindo de referencial para as cidades vizinhas.

As equipes do Ministério da Saúde realizaram as visitas técnicas a partir do dia 24 de janeiro até o início desta semana. Há uma preocupação por parte dos integrantes do CICC sobre os efeitos da pandemia no interior, com aumento dos casos e ausência de uma estrutura de assistência especializada – alta e média complexidade – e de uma assistência básica deficiente, o que torna os municípios extremamente dependentes da rede hospitalar de Manaus. Outro problema enfrentado pela rede de atenção básica é a desorganização na porta de entrada de pacientes de Covid e Não-Covid, o que pode acelerar os processos de contaminação cruzada.

Também já está no radar dos técnicos da saúde do Governo Federal e governo do Amazonas a presença da variante P.1 do SARS-CoV-2 em 11 municípios do interior do Amazonas, notadamente os que estão no entorno de Manaus. O plano também tem como meta apontar as medidas estratégicas que devem ser adotadas tanto para os municípios que já têm a presença da variante, quanto para os que ainda não registram casos da P.1, como forma de prevenção.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta