Finitude e o sentido da vida

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Chegamos ao mundo sem pedir. Trazidos por fenômeno cheio de segredos. Evolução ou criação? Não importa. É bom! Mas logo nos deparamos com uma certeza: somos seres e caminhamos para o nada, para a morte. A finitude da vida humana não é uma escolha. É o caminho natural da espécie. Jamais seremos eternos. Então, por que a vida tornou-se uma inquietude diante da finitude?

Criamos famílias, tribos, comunidades e reinos. Plantamos e colhemos. Acumulamos riquezas e domesticamos animais e plantas. Nem por isso deixamos de ser finitos.

Criamos religiões politeístas, dualistas e monoteístas com rituais diversos, com deuses celestiais, com deuses terrestres e com deuses da natureza, com cultos e rezas nas igrejas, nas ruas e até em montanhas. Mas nem por isso deixamos de ser finitos.

Estabelecemos as moedas. Definimos o valor das coisas. Criamos mercados e mercadorias. Unificamos o dinheiro e tornamos o mundo num grande comércio. E nem por isso deixamos de ser finitos.

Inventamos governos, impérios, conquistadores, reinados, califados, faraós e ditadores. Unificamos terras, pacificamos conflitos, produzimos conflitos. Monarquias, Oligarquias, Tiranias e Democracias são formas de governo criadas por nós. E nem por isso deixamos de ser finitos.

Éramos simples habitantes das florestas, das savanas, dos pântanos, dos lugarejos e agora de enormes cidades; éramos coletores, caçadores. Atingimos a revolução cognitiva, a revolução agrícola, a revolução científica, a revolução industrial e tecnológica. E nem por isso deixamos de ser finitos.

As ciências nos deram mais tempo de vida, anestesiaram nossas dores, nos imunizaram de vírus mortais, curaram doenças, nos levaram a outros planetas. E nem por isso deixamos de ser finitos.

Estabelecemos estados, patriotismos, produzimos guerras e armas poderosas que podem destruir a Terra. Matamos milhões de humanos e subjulgamos outros milhões. E nem por isso deixamos de ser finitos.

Humanismo, liberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo, fascismo e nazismo são modelos de olhar o ser humano e formas de dominação criados por nós. E nem por isso deixamos de ser finitos.

Fundamos filosofias que olham e definem o ser humano como um indivíduo único, complexo e com inúmeras razões para viver muito e também para morrer precocemente; e filosofias que entendem o ser humano como coletivo, consciente e revolucionário. E nem por isso deixamos de ser finitos.

Inventamos instrumentos de comunicação rápida, instantânea e tornamos o mundo pequeno diante de transportes rápidos. Fundamos o presencial e o virtual nas produções de bens e de comunicação. E nem por isso deixamos de ser finitos.

Implantamos preconceitos, classificamos o ser humano, determinamos ricos e pobres, brancos e pretos. Reconhecemos quem é ignorante e quem é sábio, apontamos belezas e feiuras, criamos sistemas prisionais e até estabelecemos pena de morte. Nem por isso deixamos de ser finitos.

Falar sobre a finitude não é fácil. Não é muito aceito na vida social. Causa dor, causa medo, causa sentimento de impotência. Criamos ideias de vida infinita, depois da morte física, na eternidade com Deus; e o infinito, no mundo material e orgânico, acontece mesmo depois da morte; e, ainda, o nosso infinito estaria sempre nas mentes de outros. Mas tudo são frutos da nossa criação.

Então, se a vida é finita, podemos transformá-la numa existência prazerosa. Tornar a nossa vida e do próximo mais dignas, isso não é ilusão. A finitude faz o ser humano refletir sobre o significado da vida. Amor, resiliência, bondade e fraternidade não nos levam a infinitude, mas tornam a nossa existência bem melhor.

*Sociólogo, Analista Político e Advogado.

Qual Sua Opinião? Comente: