Envelhecer com fé e sabedoria 

O envelhecer é inexorável e muitos têm a graça de alcançar determinado patamar da idade cronológica. Fato!

Envelhecer com dignidade, com segurança e com saúde, isso sim, é privilégio de poucos. Fato também!

Nos tempos bíblicos do Antigo Testamento-AT, há passagens sobre personagens que passaram de muitos séculos de existência, tempo em que o limite da vida era alcançada aos cinquenta anos.

Mais adiante, falarei sobre o porquê de muitos homens no AT, terem alcançado a incrível marca de uma quase dezena de séculos de vida.

Já sabemos, que ao longo da sua existência sobre a face da terra, a espécie humana foi alcançando expectativas de vida cada vez maiores chegando, atualmente, em alguns países, na marca dos noventa anos ou até mais.

No Brasil, estudos mais recentes(2022), estabeleceram que a nossa expectativa de vida média é de 75,5 anos, idade considerada um padrão muito bom.

A que se deve então que uma média acima dos oitenta anos ou mais possa ser alcançada em alguns países principalmente na Ásia e na Europa?

Não é difícil responder nem de entender! 

Quanto mais acesso a uma boa alimentação, oportunidade de se exercitar, tranquilidade emocional, ambientes e locais arejados, famílias bem constituídas e estruturadas, habitabilidade decente, bons serviços de saúde, dormir bem e muito, entre outros fatores, tudo contribui para obtenção de uma boa longevidade. Não podemos descartar os aspectos genéticos familiares obviamente.

Mas isso não é tudo e nem o suficiente.

Cada vez mais a ciência tem estudado e provado, que as pessoas que abraçam uma fé, vivem sob bons e edificantes preceitos espirituais, exercitam a generosidade, engajam-se em trabalhos voluntários ou em grupos ou movimentos religiosos e praticam gestos humanitários, estão mais propensas a viver mais e bem.

E é nesse aspecto, que me permito esclarecer o porquê de muitos personagens bíblicos do Antigo Testamento terem vivido quase mil anos como Matusalém 969, cujo pai Enoc viveu 365 anos, Adão 930, Noé 950, Sete 912, Lameque 777, Sem 600 anos, entre outros.

A explicação, de que naquele tempo contava-se os meses como se fossem anos, resta equivocada porquanto, há passagens bíblicas até mesmo no AT (como no livro de Gênesis), que desmontam essa tese: “O relato doDilúviodiz que as chuvas começaram quandoNoétinha 600 anos de idade,“no segundo mês, no dia dezessete”. Em seguida é dito que as águas cobriram a Terra por150 diase que“no sétimo mês, no dia dezessete do mês, a arca veio a pousar nos montes de Ararate”(Gênesis 7:11, 24, 8:4). Concluí-se que o relato mostra um período de cinco meses – do décimo sétimo dia do segundo mês até o décimo sétimo do sétimo mês (150 dias). Neste caso, fica claro que a afirmação de que um ano representaria, na verdade, um mês não tem muito sentido. A contradição seria absurda neste caso.”

Então qual a explicação mais plausível para que nos tempos bíblicos do AT muitos homens de Deus viveram por séculos e séculos?

Obviamente que não eram apenas por causa de uma alimentação saudável ou ausência de poluição e outros fatores concorrentes que permitiam a alguns homens viverem por tanto tempo: “Na verdade, as explicações são variadas, mas a mais aceitável é a de que, claro, ninguém viveu mais de 100 anos – pelo contrário. Na época da bíblia era mais comum as pessoas morrerem por volta dos 50 anos

Trata-se, na verdade, de um

elemento simbólico. A Bíblia sublinha que a longevidade é um dom de Deus, que ele dá a quem vive de acordo com a sua vontade (Jó 36,11; Provérbios 3,2; 16,1). A vida longa está, portanto, ligada com a

obediência dos mandamentos. E é por isso que quem obedece a Deus, de acordo com o texto sagrado, conserva suas energias físicas (Deuteronômio 34,7; Josué 14,10; Salmos 92,15). Quem desobedece, por outro lado, é 

punido

antes que se alcance a velhice. Desta forma, a narração bíblica tem simplesmente como objetivo mostrar que, quando mais próximas as pessoas estão de Deus, mais (e melhor) elas viverão. E é por isto que eles foram relatados como seres quase imortais.”

Portanto, aí estão as condições, elementos e ensinamentos para aqueles que pretendem ter uma vida longeva.

Obviamente, que mesmo ante tantos avanços da ciência do rejuvenescimento ou das tentativas do homem de ser “imortal”,  jamais alcançaremos um patamar de idade cronológica além de um século e meio de vida.

Assim, para que tenhamos vida longa, necessitamos da ligação estreita com Deus, da obediência aos seus mandamentos, ensinamentos e sacramentos, da vivência e da convivência em sabedoria e dignidade humana e religiosa, viver e sustentar a paz e abraçar-se em comunhão com os demais irmãos.

O envelhecer pode chegar para muitos porém, o viver uma vida longa com sabedoria, é para poucos.

Os caminhos para alcance dessa plenitude de vida estão à disposição de todos os filhos de Deus, basta que nos miremos nos nossos antepassados bíblicos do AT.

Té logo!

Obs. Trechos tirados do site Fatos Desconhecidos do articulista Lucas Franco.