Eleições amanhã

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Subestimou uma peste que caminha para os 200 mil mortos.

Celebrou o insucesso, que não aconteceu, de uma vacina contra a Covid-19.

Chamou de maricas – homossexuais que ele odeia – o povo brasileiro.

Apoiou seguidores celerados pelo fechamento do Congresso e intervenção no STF.

Favorece e estimula, e ameaça, com pólvora, quem questiona, desmatamentos e queimadas na Amazônia.

Aparelhou a administração pública com 6 ml militares despreparados.

Ministério da Saúde, exemplo gritante.

Aliou-se ao Centrão – súcia de deputados e senadores investigados e condenados por corrupção.

Exibe uma família acusada, pelas leis do país, em peculato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Apoia Crivella e a Igreja Universal, o pior que a cidade já teve, para continuar governando o Rio.

Bolsonaro, em menos de 2 anos já depreciou, diminuiu e desmoralizou 16 generais, quatro brigadeiros e um almirante.

A elite das forças armadas.

Não tem precedente na história do Brasil.

Somos maricas, fraquinhos, comunistas, medrosos, omissos por até agora não termos reagido.

E, finalmente, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem engavetado todos os pedidos de impeachment.

Alega aguardar os gritos roucos das ruas.

Tem razão.

Amanhã, eleições municipais, pode ser o início de uma resistência.

Tardia, mas essencial.

Qual Sua Opinião? Comente: