Distanciamento social salvou 2,5 mil vidas no AM, diz estudo da Ufam

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

As medidas de distanciamento social adotadas pelo Governo do Estado, como a restrição ao funcionamento de comércios e serviços não essenciais, podem ter salvado pelo menos 2.500 pessoas em Manaus durante o pico da transmissão do novo coronavírus na capital. Os dados foram retirados da pesquisa realizada pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), e que apontam tanto as medidas de isolamento quanto o uso de máscaras e a melhoria no sistema de saúde como responsáveis pelo não aumento no número de mortes na capital.

O estudo “Curva Epidemiológica da Covid-19 em Manaus” foi solicitado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), e teve colaboração de professores das universidades federais de Minas Gerais (UFMG) e de São João del-Rei (UFSJ-MG).

A pesquisa utilizou duas metodologias. Uma delas levou em consideração o número de casos confirmados pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), e a outra analisou números de óbitos e sepultamentos realizados em cemitérios públicos de Manaus. Ambas obtiveram resultados parecidos, e as conclusões foram apresentadas ao Governo do Estado, por meio do Comitê de Crise.

Segundo o doutor Alexander Steinmetz, do Departamento de Matemática da Ufam, a pesquisa leva em conta a taxa de letalidade em relação à estimativa de pessoas infectadas (0,75%) e o tempo médio entre a exposição ao vírus e o óbito (18 dias). Os pesquisadores estimaram em cerca de 85 mil o número total de infecções ativas pelo novo coronavírus, em Manaus, até o dia 11 de maio deste ano.

Outro dado importante apresentado pelo pesquisador é de que pelo menos 2.500 pessoas deixaram de morrer da doença por conta das medidas de distanciamento social, aliadas ao maior uso de máscaras e às melhorias no sistema de saúde do Estado.

“A queda de óbitos recente, essa pequena luz no fim do túnel na primeira metade de maio, a gente acha que se deve em partes ao distanciamento social, fechamento do comércio, escolas, igreja e tudo que causa aglomerações”, afirmou Steinmetz. “A orientação para o uso de máscaras foi muito eficaz, segundo o nosso estudo, e também a melhora na capacidade de atendimento dos médicos nos hospitais, o aumento de leitos, melhor fluxo organizacional”.

Atualmente, a taxa de isolamento social em Manaus é de apenas 40%. Ainda que relativamente pequena, o pesquisador assinala que o cenário poderia ser muito pior se não tivessem sido adotadas medidas de restrição. “A gente viu 1.500 óbitos a mais em abril do que o normal. Se a gente não tivesse tomado as medidas, poderia ter visto facilmente ainda mais 2.500 óbitos em abril”.

Cenários futuros – Desde a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Amazonas, no dia 13 de março, o Governo do Estado implementou medidas de distanciamento social, como a suspensão do funcionamento de serviços não essenciais em todo estado, além do uso obrigatório de máscaras.

Após o primeiro pico da doença, os números de óbitos e internações diminuíram. Em uma simulação feita pela pesquisa, caso se mantenha a taxa de isolamento de 40%, Manaus deve ter uma estimativa de 60.000 infectados até o dia 31 de maio deste ano, com tendência de diminuição lenta de infecções. A taxa ideal para uma rápida diminuição no número de casos é de 60%.

Por outro lado, segundo os pesquisadores, o afrouxamento das medidas pode levar a um segundo pico da doença, com ainda mais internações e mortes.

“A gente tem um número alto de infectados neste momento, em torno de 85 mil indivíduos. São muitas pessoas portadoras da doença em Manaus nesse momento, e a gente tem baixo número de indivíduos recuperados, então a gente tá muito longe de alguma esperança de imunidade de rebanho”, afirmou Alexander Steinmetz. “Temos uma possibilidade real de novo pico de infectados e óbitos em junho se a gente afrouxar qualquer coisa nesse momento”.
Pesquisas no Estado – O estudo encomendado pela Fapeam tomou por base seus pesquisadores, seus currículos, áreas de atuação e trabalhou com pesquisadores doutores que já possuíam experiência na área de modelagem estatística.

A Fundação, responsável pelo amparo à pesquisa no estado e pelo fomento de pesquisas básicas, aplicadas e tecnológicas, está mantendo a organização dos trabalhos seguindo as normas do distanciamento social e continua promovendo o auxílio aos bolsistas. A diretora-presidente, Márcia Perales, assinala que as ações de pesquisa em torno da Covid-19 seguem sendo desenvolvidas no estado com o suporte da fundação.

“A gente tem pesquisadores excelentes no estado. Pesquisadores que têm não só reconhecimento no âmbito, regional, nacional, mas também internacional, e eles precisam ser apoiados para que sempre possam nos ajudar no desenvolvimento econômico e social do nosso estado. Estamos com essas atividades sendo desenvolvidas, e o que a Fapeam espera é que esses relatórios técnicos-científicos possam de fato ajudar nas decisões estratégicas do Governo do Estado para que nós sigamos o melhor caminho em relação a essa crise”, afirmou a diretora-presidente.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta