Deputada pede apoio a índios e prefeitos para combater a pandemia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Ao apresentar um plano de ações voltado ao combate do novo coronavírus no interior do Estado, a presidente da Comissão de Saúde e Previdência da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputada Mayara Pinheiro (PP), voltou a cobrar a instalação de um hospital de campanha para a população indígena e alertou que prefeitos do interior estão atuando “praticamente sozinhos” no combate a pandemia.

Em suas redes sociais, por meio de um vídeo, a deputada enfatizou a ruptura inesperada no planejamento de execução de políticas urgentes para saúde, com a saída de mais um ministro da pasta no âmbito federal. “Uma delas, é a promessa do hospital de campanha específico para a população indígena que até agora não se tornou realidade”, disse, ao afirmar que o Amazonas é um dos Estados que concentra a maior população indígena do país.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em números proporcionais, Roraima é o Estado com a maior população indígena, seguido do Amazonas.

Na publicação, a parlamentar disse que a situação dos 61 municípios do Amazonas é extremamente preocupante. “Diferente da capital, os municípios do interior não contam com serviços de UTI e de alta complexidade. O número de médicos e profissionais de saúde já era escasso e com o número de casos ainda aumentando, os profissionais que estão no interior serão ou já estão sobrecarregados”, enfatizou.

Diante da falta de estrutura física e pessoal no interior “os prefeitos estão combatendo esse mal praticamente sozinhos”, afirmou a parlamentar.

Plano estratégico

Além de hospitais de campanha específicos para o interior, a deputada Mayara Pinheiro apontou, em um Plano Estratégico de combate ao coronavírus, cinco medidas urgentes com o foco nos municípios do Amazonas. São elas: a contratação de médicos para baixa e média complexidade, buscando profissionais que já atuaram no Programa Mais Médicos, assim como os recém-formados, que passariam por capacitação na Universidade de Estado da Educação (UEA); testes para grupos de risco (idosos, hipertensos e diabéticos), possibilitando a intervenção precoce; acompanhamento laboratorial rigoroso dos pacientes durante todo o curso da doença; envio imediato de medicamentos do protocolo de atendimento da Covid-19 e o acompanhamento de alta complexidade por telemedicina, conectando médicos da capital com médicos do interior.

“Precisamos evitar que o interior seja negligenciado. O Estado tem que dar este suporte rápido para evitarmos mais mortes”, explicou.

Como presidente da Comissão de Saúde da Aleam, Mayara Pinheiro disse que já enviou diversos ofícios para a Susam, cobrando respostas sobre as ações reais e efetivas ao interior. “Seguimos sem resposta, mas vamos continuar cobrando”, concluiu.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta