Depois de festa do filho do dono do “Baratão”, SSP anuncia que vai responsabilizar síndicos por eventos

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Depois de um final de semana de festas promovidas pelos ricos de Manaus, inclusive pelo filho do dono da rede de supermercados “Baratão da Carne”, a Secretaria de Segurança Pública anunciou agora há pouco que síndicos e condomínios que permitam eventos desse tipo serão responsabilizados criminalmente. No caso que mais repercutiu no final de semana, que ocorreu no Ephigênio Sales, o deboche à pandemia foi completo, com direito a um grupo de funk nacional, banda de forró, blogueiras, digital influencers e comida e bebida à vontade.

O aniversariante que provocou todo o alvoroço, inclusive campanhas de cancelamento da rede de supermercados do pai, é Edilson G Rufino, que aparece na foto acima, ao meio. Ele é filho do empresário Edilson Rufino de Jesus, dono da rede “Baratão da Carne”. O evento com muita gente aglomerada aconteceu no último sábado (27). Realizar festas e outras aglomerações durante a vigência das medidas sanitárias criadas para conter a pandemia da Covid-19 é crime, com punições previstas no Código Penal Brasileiro.

Moradores que se sentirem lesados por esses eventos podem abrir processo na Justiça contra os condomínios e os síndicos, pelo desrespeito às medidas sanitárias que visam a contenção da Covid-19.

A delegada-geral da Polícia Civil, Emília Ferraz, determinou a abertura de procedimento investigativo para apurar a realização do evento. O caso ficará a cargo do 16º Distrito Integrado de Polícia, que investiga os ilícitos da área.

“Hoje com as notícias veiculadas na imprensa, formalizamos um procedimento, distribuído à delegacia da área e vamos apurar tudo isso, inclusive se as declarações (de que a polícia esteve lá) são falsas ou não”, afirmou a delegada.

Mesmo sem o flagrante policial, é possível abrir procedimentos investigativos sobre as infrações sanitárias com base em provas, como vídeos publicados na internet. Isso vale, também, para pessoas reconhecidas através de imagens. É com base nesse material, também, que a Polícia Civil deve abrir procedimento contra o condomínio e o síndico que permitiram a realização do evento no Aleixo.

“Caracteriza o descumprimento do decreto, inclusive, a polícia já estuda meios de punir e fazer procedimentos contra os responsáveis pelos condomínios. É uma advertência de que haverá procedimento criminal, mas basicamente um apelo para que as pessoas permaneçam em casa. A pandemia de Covid está aí e é necessária uma conscientização da população para evitar aglomerações, porque isso você faz por você”, salientou Emília Ferraz.

Além dos organizadores de eventos, os síndicos e o condomínio onde as festas forem identificadas serão enquadrados nos artigos 267 e 268 do Código Penal. Considerando a responsabilidade e o dever de agir dos administradores, a permissão para que se faça esse tipo de festa caracteriza uma infração à lei e as medidas sanitárias determinadas pelo governo estadual, colocando em risco a saúde pública de toda a cidade.

A desobediência a medidas sanitárias que visam conter doenças contagiosas é um crime previsto no Código Penal Brasileiro, desde 1940. A pena de detenção varia de um mês a um ano e multa. A pena é aumentada de um terço, se o agente é funcionário da saúde pública ou exerce a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta