De saída da direção da Suframa, Igrejas anula contrato com governo para recuperação das ruas do Distrito Industrial

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

gustavo igrejas

A poucas horas de se afastar do cargo de superintendente da Zona Fanca de Manaus, Gustavo Igrejas rescindiu de forma unilateral o convênio de R$ 100 milhões, firmado com a Secretaria de Estado de Infraestrutura em 2012 para obras de recuperação das ruas do Distrito Industrial de Manaus. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, dois dias após o Ministério Público Federal no Amazonas informar que havia recomendado a rescisão, em função de irregularidades graves no convênio.

Ele argumentou que o Estado não vem cumprindo a sua parte no convênio. A Suframa entrou com R$ 94.041.011,10 e o Estado com R$ 10.449.001,23. Em 2013, foi celebrado termo aditivo que aumentou a contrapartida do Estado, passando o valor global do convênio a ser de R$ 107.368.276,64.

A Procuradoria Federal entende que os ajustes propostos ultrapassam o limite legal de aditivação, que é de 25%, segundo a Lei Geral de Licitações.

Na recomendação, o MPF-AM destacou que os atos de improbidade administrativa poderiam vir a ser cometidos tanto por ação quanto por omissão do agente público e que a precariedade do asfaltamento do Distrito Industrial é um problema antigo, que se sucedeu por diversas gestões da Suframa, do Governo do Estado do Amazonas e da Prefeitura de Manaus sem o enfrentamento efetivo por parte das três esferas de poder.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta