Corecom prevê que aumento da gasolina deve gerar efeito cascata em até três meses

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

MANAUS 13/08/2013 MARCO ANTONIO EVANGELISTA, PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA (CORECOM) DISCURSA NA SESSAO PLENARIA DA CAMARA MUNICIPAL DE MANAUS (CMM). FOTO:TIAGO CORREA/CMM

O aumento de 6% nos preços da gasolina e de 4% no diesel nas refinarias, em vigor há uma semana deve ocasionar um efeito cascata nos preço de outros produtos em até três meses, alertou o Conselho Regional de Economia (Corecon-AM). A previsão é de que nesse período o aumento seja incorporado a outros setores da Economia como: o comércio, indústria e serviços.

De acordo com Marcus Evangelista (foto), presidente do Conselho, a medida é um reflexo do aumento do dólar que tem impacto direto na inflação. Ele explica que nos próximos meses o consumidor deverá sentir mais intensamente os efeitos do reajuste no dia a dia, com o possível aumento do valor das passagens de ônibus, produtos da cesta básica e até o preço do frete.

“Como toda a cadeia produtiva se utiliza do diesel, o transporte de alimentos vai ficar mais caro o que vai afetar também o preço dos alimentos. Há estimativas que o preço do frete aumente em torno de 2%, e o transporte rodoviário de cargas fique de 0,46% a 1,41% mais caro. Como grande parte da matriz energética brasileira é composta de termoelétricas, que utilizam combustíveis para gerar eletricidade, o aumento no preço pode refletir também na conta de luz”, adiantou Evangelista.

Para o vice-presidente do Corecon-AM, Nelson Azevedo, a medida deve impactar também no percentual da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), com um efeito de 0,20 pontos percentuais. Azevedo afirma, ainda, que o repasse do valor para o consumidor final pode intensificar a retração do comércio e da indústria.

“O comércio presencia, hoje, uma queda nas vendas de vários setores. Com o aumento do preço dos produtos essa situação se agrava, porque as pessoas deixam de comprar cada vez mais. Isso traz menor lucro para as empresas que podem começar a demitir, aumentando o índice de desemprego”, lamentou Azevedo.

O economista avalia, também, que nessa situação, onde um lado pressiona pelo aumento e outro pela diminuição ou manutenção de preços, o mais provável é que o aumento seja feito de forma sutil ou mesmo que os preços sejam mantidos, acarretando aos produtores o ônus do aumento. “Mas como é sempre o consumidor o afetado, dificilmente as empresas vão arcar com os preços da medida”, concluiu Azevedo.

Aumento

A Petrobras comunicou, no dia 30 de setembro, o reajuste nos preços da gasolina e do diesel nas refinarias. Com isso, os postos de combustíveis começaram a repassar o valor ao consumidor a partir do dia 1º deste mês.

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Amazonas (Sindicam) informou que o preço médio da gasolina deve ficar em torno de R$ 3,80 na capital. Segundo o presidente do Sindicam, Geraldo Dantas, alguns postos começaram a trabalhar com os novos preços na mesma data do anúncio da Petrobras. O aumento repassado às refinarias pela estatal foi de 6% para a gasolina e 4% para o diesel.

“O valor repassado para os postos foi o mesmo repassado pela refinaria. O preço varia porque cada posto pode decidir por quanto vai vender o combustível. Na última semana, alguns estavam com preços mais baixos devido a promoções que fizeram, mas com o reajuste feito essa promoção não deve mais valer”, enfatiza Dantas.

Este é o segundo aumento no combustível repassado ao consumidor em 2015. No mês de fevereiro, a variação do preço do litro da gasolina comum passou de R$ 3,28 para até R$ 3,59.

Com informações da assessoria de imprensa

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta