Com mais dois aeroportos liberados no interior, nova rotas são aguardadas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O senador Eduardo Braga (MDB) comemorou, nesta sexta-feira (15/05), a liberação dos aeroportos de Eirunepé e São Gabriel da Cachoeira para pousos e decolagens de aeronaves do porte ATR 72 (com capacidade de transportar até 72 passageiros), sem limite de frequência semanal, conforme decisão da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). “Isso possibilita a redução das exorbitantes tarifas hoje cobradas e a abertura de novas rotas regionais. Novas liberações serão concedidas para o interior”, adiantou o parlamentar.

Há, pelo menos, três anos, ele reivindica sucessivamente melhorias nos aeródromos do Estado ao governo federal. Desde 2019, conseguiu abrir um canal diálogo com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e as demais autoridades do setor, chegando a contribuir com o plano estratégico elaborado pelo Poder Executivo para modernização dos terminais.

Em fevereiro deste ano, Eduardo definiu com o então diretor-presidente da agência reguladora, Ricardo Botelho, um calendário de intervenções na estrutura dos aeroportos de 11 municípios. Além de Eirunepé e São Gabriel da Cachoeira, estavam na lista Itacoatiara, Borba, Santa Isabel do Rio Negro, Barcelos, Coari, Manicoré, Lábrea, Humaitá e Carauari. “Para que tenhamos uma aviação mais segura, rápida, eficiente e mais barata para o Amazonas. Tudo isso pensando no homem e na mulher que vivem no interior e que precisam da aviação comercial, muitas vezes, para salvar vidas”, disse o senador na ocasião.

Diante da diretoria da Anac, Eduardo detalhou a importância estratégica dos aeródromos para algumas cidades, como Borba. “O município está às margens do Rio Madeira, uma região com um alto potencial econômico”, observou o parlamentar, que, na sequência, também chamou atenção para a relevância do aeroporto de Carauari para a cadeia do setor de óleo e gás do Amazonas. “Mais de mil pessoas que trabalham em Urucu (província petrolífera) moram em Carauari e, muitas vezes, precisam se deslocar de barco”, disse.

Certificado – Em seu site, a Anac anunciou que concedia, nesta sexta, Certificado Operacional para os aeroportos de Eirunepé e São Gabriel da Cachoeira, os primeiros aeródromos regionais do Amazonas a receber essa certificação da Agência. “Esse certificado permite a operação de voos comerciais com a aeronave de modelo ATR 72, sem limite de frequência semanal de operação.”

Além de permitir uma maior acessibilidade para a comunidade da região desses aeroportos, informou a agência, essa certificação representa um aumento da segurança das operações no aeroporto, pois foram realizadas adequações na infraestrutura e nos auxílios visuais no sistema de pistas, além da definição de procedimentos de segurança operacional.

A agência destacou, ainda, que vem fornecendo todas as orientações para que os aeroportos, administrados pelas prefeituras municipais, conseguissem atender os requisitos para a certificação dos terminais. “Essas ações complementam outras já implementadas pela Anac para aeródromos privados situados na região da Amazônia Legal”, finalizou.

Qual Sua Opinião? Comente:

Este post tem um comentário

  1. Claudio Lemes Louzada

    Boa notícia, dois ótimos aeroportos construídos pela Força Aérea Brasileira através de sua divisão de engenharia chamada Comara, Comissão de Aeroportos da Região Amazônica. Uma vez que, os prefeitos de muitas cidades do nosso Brasil só projetam e constroem aeroportos subdimensionados para a moderna aviação, pistas inferiores a 1.600 x 30m em asfalto mole com resistência do piso inferior a 37 toneladas. Parabéns a Comara e Anac.
    A aviação regional na Amazônia só será plena quando complementada pela aviação ANFÍBIA!!!
    A região concentra 15.000 rios, a maior do planeta. Atualmente existe anfíbios de 06, 09, 23, 44 e 73 passageiros, jatos ou turboélices. Ideais para atender qualquer demanda de pequenos povoados até cidades médias. Todas as pistas de pouso na região, os rios, já estão prontas e qualquer cidade na Amazônia tem também porto de atracação. Saudações e bons voos,

Deixe uma resposta