BÍBLIA E POLÍTICA: O CASAMENTO QUE DÁ CERTO E CURA A SOCIEDADO

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

00

É impossível a mim, sendo um cristão, escrever um texto ou pensar em Política e não considerar atentamente o que a Bíblia diz a respeito do assunto. Penso que isso se deva ao fato de que dentro de mim está claramente formado o conceito de um estilo de vida baseado no que a Palavra de Deus diz a respeito de um assunto, uma ação ou uma atitude.

Na minha convicção e em concordância com os moldes de Jesus, tudo tem que caminhar por um princípio divino para dar certo. E tenho plena convicção de que fatalmente o êxito das coisas está ligado a uma premissa: O princípio estabelecido por Deus, aquilo que Deus diz em Sua Palavra, conduz ao que é correto e exitoso. O fracasso, por sua vez, é exatamente o contraditório dessa premissa.

Passamos, então, a considerar alguns pontos para essa reflexão sobre a Política e o que se diz a respeito dos conceitos políticos nas referências bíblicas, as causas e as soluções das crises sociais com ênfase na ação do indivíduo e, finalmente, o propósito da Política na Bíblia.

  1. O conceito político na Bíblia

O que a Bíblia tem a dizer sobre Política? Na verdade, não encontramos na Bíblia a palavra ‘Política’ nem uma definição da mesma. Obviamente porque a Escritura Sagrada não é um manual ou tratado político. Entretanto, encontramos do Gênesis ao Apocalipse, a ideia implícita de Política.

Folheando as páginas da Bíblia, verificamos que o conceito bíblico de Política é o conceito do próprio Deus e de Seus escritores sagrados. A arte de bem governar e administrar com competência são exigências constantes de Deus. Podemos considerar a mensagem do profeta Isaías, sua reivindicação pela justiça social como resultado de uma Política responsável e consciente como a reivindicação do próprio Deus que o enviara a profetizar.

  1. As causas e as soluções das crises sociais

As causas das crises socioeconômicas em nível mundial estão numa Política que, por ações de ‘certos políticos’, classificamos como uma Política defeituosa. E qual seria a causa desse defeito? É simples, a maioria dos líderes políticos estão querendo dirigir o mundo sem Deus e sem a Bíblia.

Acredite, o maior e melhor programa de governo de todos os tempos é a Palavra de Deus. “Quando se assentar no trono do seu reino, escreverá para si num livro uma cópia desta lei, que está diante dos sacerdotes levitas. Conservará a cópia consigo, e a lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer ao Senhor seu Deus, e a guardar todas as palavras desta lei e estes estatutos, para os cumprir, e para que o seu coração não se eleve sobre os seus irmãos, e não se aparte do mandamento, nem para a direita nem para a esquerda, de sorte que prolongue os dias no seu reino, ele e seus filhos no meio de Israel”. (Deuteronômio 17:18-20)

Além disso, observe o exemplo do povo de Israel na Bíblia. Na história dos reis de Israel, os reis que governaram sob o temor de Deus e em obediência à Palavra foram bem-sucedidos. O segredo de uma Política eficiente não está na forma de governo nem no regime político, mas na aplicação prática dos princípios morais e civis da lei de Deus.

No mundo em que vivemos, onde os atos desqualificados do indivíduo em sua sociedade apodrecem seu ambiente social, é impossível um governo exitoso. Entretanto, quando os Princípios Bíblicos regem a conduta e a moral dos dirigentes, Deus abençoa a Nação e a sociedade.

Quando João Calvino (1509-1564) aplicou em Genebra (Suíça) os princípios da Bíblia, ele revolucionou de maneira extraordinária a vida daquela cidade. A reforma religiosa e político-social de Calvino é um marco da história que comprova, entre tantos outros exemplos semelhantes, que fé em Deus e administração pública são uma mistura que dá certo. Isso nos desafia.

  1. O propósito da Política na Bíblia

Observe que de acordo com a Bíblia, a Política, em si, é boa, porque foi instituída por Deus. O problema está no fato de que nem sempre o poder político é devidamente utilizado. Daí, então, o questionamento deve ir em direção ao político que está fazendo a má Política e não à Política em si. Isso acontece porque nem todos estão aptos para entender o propósito da Política.

Qual a finalidade da Política? Acredito que os teólogos da Assembleia de Westminster, Inglaterra (1643-1648), definiram biblicamente o propósito da Política quando disseram: “Deus, o Senhor Supremo e Rei de todo o mundo, para a Sua glória e para o bem público, constituiu sobre o povo magistrados civis (líderes políticos) que lhes são sujeitos, e a este fim os armou com o poder da espada para defesa e incentivo dos bons e castigo dos malfeitores.”

Vejam nessa declaração que a finalidade da Política é dupla. Deus a constituiu para: 1. Sua própria glória. 2. O bem público. Perguntar não ofende: Será que este duplo propósito da Política está sendo cumprido em termos de Brasil? É evidente que não, pois notamos ainda na declaração de Westminster que as autoridades receberam da parte de Deus o poder da espada para a defesa dos bons e castigo dos maus. A impunidade desonra a Deus.

Em resumo, a Bíblia valoriza a Política e os políticos no livro de Romanos 13:1,2. “Toda pessoa esteja sujeita às autoridades superiores, pois não há autoridade que não venha de Deus. As autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenança de Deus, e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação”. Primeiro, porque faz parte da própria essência administrativa de Deus. Segundo, porque são agentes de Deus, quer estejam conscientes ou não, quer acreditem ou não, a fim de governarem com seriedade para que Deus seja glorificado e o povo respeitado, levando-nos, finalmente, a crer que Bíblia e Política formam um casamento que dá certo e cura a sociedade.

Marcel Alexandre

Político e Líder Cristão

Marcel Alexandre, apóstolo do Ministério Internacional da Restauração, vereador em Manaus no segundo mandato e um dos maiores ativistas do twitter na cidade.

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Este post tem um comentário

  1. Eliete

    Parabéns, ainda falta esta consciência aos nossos políticos.

Deixe uma resposta