Basa anuncia que vai disponibilizar R$ 900 milhões para o fomento no Amazonas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Todo ano, o Banco da Amazônia (BASA) assina com os nove estados da Amazônia Legal o Protocolo de Intenções para aplicação de recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), da carteira comercial e demais fontes de fomento. Neste ano, para o Amazonas, a instituição deve investir quase R$ 900 milhões para o fomento da economia. Para mostrar quanto o Banco aplicou no ano passado e as expectativas para este ano, será assinado, na segunda-feira (22 de fevereiro) o protocolo de intenção, às 10h, em sessão virtual.

A reunião será realizada pelo Microsoft Teams para convidados. Participarão várias personalidades da economia e governança do Estado do Amazonas. O presidente do BASA, Valdecir Tose, e o governador do Estado, Wilson Lima (PSC), confirmaram presença, além de representantes da Sudam, Suframa, Assembleia Legislativa, Sebrae, Governos Municipais e Entidades Classistas.

Além da assinatura do protocolo, também serão apresentadas as linhas de crédito para o Estado. A novidade neste ano serão linhas de crédito voltadas para a sustentabilidade – o FNO Verde – para fomentar a economia, ao mesmo tempo com o compromisso socioambiental.

Segundo o superintendente do banco no Amazonas, André Vargas, a instituição continua no esforço de respeitar todos os protocolos impostos pela pandemia. “Estamos melhorando os nossos canais digitais, queremos gerar cada vez mais empregos em todas as regiões do Amazonas e participar de forma mais ativa na concessão de crédito e capital de giro para as micro e pequenas empresas”, define.

O superintendente informa que, para o Amazonas, o banco trabalhará voltado para o comércio e serviço, indústria, infraestrutura e no fomento para o Agronegócio, de forma sustentável e com total alinhamento à política ambiental do Estado. “Queremos viabilizar parcerias para nossa política de crédito, com todos os setores econômicos. E expandir mais no crédito para a Agricultura Familiar (especialmente nas linhas de Pronaf Eco, Mulher, Jovem, Mais Alimento e Agrofloresta), com qualificação e inovação, tendo a assistência técnica oficial do Estado como a principal parceira”, conclui.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta