Bancada do Amazonas tem três nomes na lista dos “100 cabeças do Congresso”

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Os senadores Eduardo Braga (MDB) e Omar Aziz (PSD), além do deputado federal Marcelo Ramos (PL) são os três membros da bancada do Amazonas em Brasília incluídos na tradicional lista dos “‘100 cabeças do Congresso”, elaborada todos os anos pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP). Na definição da entidade, trata-se dos parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pela capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, que é dinâmica, e, principalmente, facilidade para conceber ideias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão.

A região Norte está representada por dez parlamentares, sendo sete senadores e três deputados. O Estado do Amazonas tem dois senadores entre os “Cabeças”, o mesmo número de senadores que possui o Estado do Amapá. Empatados, com um senador cada, estão os estados do Acre, de Rondônia e do Tocantins. Os estados de Roraima e Pará não têm representantes nesta edição dos “Cabeças” 2020.

Neste ano de 2020, a identificação dos parlamentares mais influentes foi dificultada por dois episódios, ambos decorrentes da Pandemia, que levou ao isolamento social. O primeiro foi a adoção do sistema remoto de deliberação, que dificulta identificar os parlamentares mais presentes nas articulações e negociações, já que estas ficam praticamente restrita aos líderes e relatores nesse período. O segundo foi a não instalação das comissões permanentes da Câmara, instância importante de poder, que ajudava a identificar quem tinha prestígio para ser indicado por suas bancadas para presidir um colegiado temático. Isto, entretanto, não impediu que se chegasse aos parlamentares mais influentes do ano em curso.

A pesquisa inclui apenas os parlamentares que estavam no efetivo exercício do mandato no período de avaliação, correspondente ao período de fevereiro a junho de 2020. Assim, quem esteve ou está licenciado do mandato, mesmo influente, não faz parte da publicação. Por isto, não constam entre os 100 mais influentes de 2020 os deputados nomeados ministros no governo Jair Bolsonaro, como Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ministro da Cidadania; e Tereza Cristina (DEM-MS), ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Entre os 100 parlamentares que comandam o processo decisório no Congresso, 70 são deputados e 30 são senadores.

Além dos “100 Cabeças”, desde a 7ª edição da série, o DIAP divulga levantamento incluindo na publicação um anexo com outros parlamentares que, mesmo não fazendo parte do grupo dos 100 mais influentes, estão em plena ascensão, podendo, mantida a trajetória ascendente, estar futuramente na elite parlamentar. Pode-se dizer que estão entre os 150 mais influentes.

100 “Cabeças” do Congresso Nacional 2020 

Deputado Aécio Neves (PSDB-MG)
Deputado Afonso Florence (PT-BA)
Deputado Afonso Motta (PDT-RS)
Deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)
Deputado Alceu Moreira (MDB-RS)
Deputado Alessandro Molon (PSB-RJ)
Deputado Alexandre Padilha (PT-SP)
Deputada Alice Portugal (PCdoB-BA)
DEPUTADA FERNANDA MELCHIONNA (PSOL-RS)
Deputado André Ferreira (PSC-PE)
Deputado André Figueiredo (PDT-CE)
Senador Antonio Anastasia (PSD-MG)
Deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP)
Deputado Arnaldo Jardim (CIDADANIA-SP)
Deputado Arthur Lira (PP-AL)
Deputado Baleia Rossi (MDB-SP)
Deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP)
Deputado Carlos Zarattini (PT-SP)
Deputada Carmem Zanotto (CIDADANIA-SC)
Senador Cid Gomes (PDT-CE)
Senador Ciro Nogueira (PP-PI)
Deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA)
Deputado Daniel Coelho (CIDADANIA-PE)
Senadora Daniella Ribeiro (PP-PB)
Deputado Danilo Cabral (PSB-PE)
Senador Davi Alcolumbre (DEM-AP)
DEPUTADO PAULO GANIME (NOVO-RJ)
Deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)
Senador Eduardo Braga (MDB-AM)
Senador Eduardo Gomes (MDB-TO)
Deputado Efraim Filho (DEM-PB)
Deputado Enio Verri (PT-PR)
Deputada Erika Kokay (PT-DF)
Senador Espiridião Amin (PP-SC)
Deputado Fábio Trad (PSD-MS)
Deputado Felipe Francischini (PSL-PR)
SENADOR WELLINGTON FAGUNDES (PL-MT)
Senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE)
DEPUTADO PEDRO LUCAS FERNANDES (PTB-MA)
Senador Flávio Bolsonaro (REPUBLICANOS-RJ)
Deputado Glauber Braga (PSOL-RJ)
Deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR)
Deputado Gustavo Fruet (PDT-PR)
Deputado Henrique Fontana (PT-RS)
DEPUTADO ZÉ SILVA (SOLIDARIEDADE-MG)
Senador Humberto Costa (PT-PE)
Deputado Ivan Valente (PSOL-SP)
Deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ)
Senador Jaques Wagner (PT-BA)
Deputado João Roma (REPUBLICANOS-BA)
Deputado José Guimarães (PT-CE)
Senador José Serra (PSDB-SP)
Deputado Júlio Delgado (PSB-MG)
Deputado Kim Kataguiri (DEM-SP)
Deputado Laercio Oliveira (PP-SE)
Deputado Lincoln Portela (PL-MG)
DEPUTADO PEDRO PAULO (DEM-RJ)
Deputada Luiza Erundina (PSOL-SP)
Senador Major Olímpio (PSL-SP)
Deputado Marcel Van Hattem (NOVO-RS)
Deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ)
Deputado Marcelo Ramos (PL-AM)
Deputado Marcos Pereira (REPUBLICANOS-SP)
Senador Marcos Rogério (DEM-RO)
Senador Omar Aziz (PSD-AM)
Deputado Orlando Silva (PCdoB-SP)
Senador Otto Alencar (PSD-BA)
Deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG)
DEPUTADA PROFESSORA DORINHA SEABRA REZENDE (DEM-TO)
Senador Paulo Paim (PT-RS)
Deputado Paulo Pereira da Silva (SOLIDARIEDADE-SP)
Deputado Paulo Pimenta (PT-RS)
Deputado Paulo Teixeira (PT-SP)
DEPUTADO DIEGO ANDRADE (PSD-MG)
DEPUTADO LUCIANO BIVAR (PSL-PE)
DEPUTADO HUGO MOTTA (REPUBLICANOS-PB)
SENADOR ALVARO DIAS (PODEMOS-PR)
Senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP)
Senador Renan Calheiros (MDB-AL)
Deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE)
Deputado Ricardo Barros (PP-PR)
Senador Roberto Rocha (PSDB-MA)
Deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG)
Senador Rogério Carvalho (PT-SE)
Deputado Rubens Bueno (CIDADANIA-PR)
Deputado Samuel Moreira (PSDB-SP)
Senador Sérgio Petecão (PSD-AC)
Deputado Silvio Costa Filho (REPUBLICANOS-PE)
Senadora Simone Tebet (MDB-MS)
Deputada Tabata Amaral (PDT-SP)
Deputado Tadeu Alencar (PSB-PE)
Senador Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB)
Deputado Vitor Hugo (PSL-GO)
DEPUTADO FERNANDO COELHO FILHO (DEM-PE)
Deputado Wellington Roberto (PL-PB)
Senador Weverton (PDT-MA)
DEPUTADA PERPÉTUA ALMEIDA (PCdoB-AC)
DEPUTADO WOLNEY QUEIROZ (PDT-PE)

“Cabeças” do Congresso Nacional 2020 por Partido

O número de partidos com representação no Congresso Nacional chega a 24. Desses, apenas quatro (PROS, AVANTE, PATRIOTA e PV) não possuem representantes na elite parlamentar.

Quanto à representatividade na elite parlamentar, incluindo deputados e senadores, o partido com menor presença entre os “Cabeças do Congresso” tem 1 parlamentar, e o partido com maior participação tem 15 parlamentares.

O PT, que esteve no poder por mais de 13 anos, de 2003 a 2016, e elegeu a maior bancada na Câmara dos Deputados em 2018, continua sendo a agremiação com o maior número de parlamentares influentes nos “Cabeças”.

O segundo partido em número de representantes na elite é o DEM, partido dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), do Senado Federal, Davi Alcolumbre (AP), além dos ministros da Cidadania, Onyx Lorenzoni (RS), e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina (MS).

O MDB, legenda que esteve à frente do Governo Federal de 2016 a 2019, está na terceira posição entre os mais influentes empatado com o PSDB, partido que comandou o Poder Executivo de 1995 a 2003. E, ainda integram a terceira posição na elite parlamentear o PP e o PDT.

O PSL, partido que elegeu o presidente da República, e tem a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados, figura em nono lugar na elite parlamentar. E, empatados na nona posição com o PSL estão o PSB, o PSOL e o REPUBLICANOS.

O PODEMOS, partido com a sétima maior bancada da Câmara dos Deputados, está em décimo sétimo lugar nos “Cabeças” 2020. Proporcionalmente, está melhor representado no Parlamento que na elite parlamentar, onde conta apenas com um senador.

Os partidos que dão apoio à agenda liberal e fiscal do governo Jair Bolsonaro – PSL, REPUBLICANOS, DEM, MDB, PSDB, PP, PSD, PL, SOLIDARIEDADE, NOVO, PTB e o PSC -, entre outros, reúnem 56% da elite do Congresso. Destes, o DEM lidera com nove nomes, seguido do MDB, do PSDB e do PP, com sete nomes cada, do PSD, com seis nomes, e, empatados com cinco parlamentares cada, estão o PSL e o REPUBLICANOS. O PL tem quatro parlamentares entre os mais influentes do Congresso Nacional. O SOLIDARIEDADE e o NOVO, empatados, com dois parlamentares cada. E, também empatados com um deputado cada na elite do Parlamento, estão o PTB e o PSC.

Já a oposição ao governo conta com 37% da elite e é liderada pelo PT, com 15 parlamentares, seguido do PDT, com sete, do PCdoB, com seis, e do PSB e do PSOL, empatados com cinco parlamentares cada. O REDE, da ex-senadora Marina Silva, tem um senador entre os mais influentes.

O único partido independente, o CIDADANIA, representa 4% da elite parlamentar.

“Cabeças” do Cogresso Nacional 2020 por Estado e Região

Há vários anos o DIAP acompanha a distribuição regional dos parlamentares mais influentes do Congresso e durante todo esse período constatou uma tendência da prevalência de representantes nas regiões ricas, urbanizadas e industrializadas, com uma concentração maior nas regiões Sudeste e Sul do País, na elite do Poder Legislativo, em relação às regiões carentes ou menos desenvolvidas. Essa tendência, no entanto, pela primeira, não se manteve, apesar de a região Sudeste, sozinha, representar 34% da elite parlamentar.

De acordo com a tabela, a região Nordeste é a que mais tem representantes nesta edição dos “Cabeças” do Congresso Nacional, 35, sendo 22 deputados e 13 senadores. E sozinha a região tem a maior quantidade de senadores, 13, ou 76% de toda a representação do Senado na elite. Em segundo, está a Região Sudeste com 34, seguida pela região Sul, com 16, a Norte, com 10, e, por último, a Centro-Oeste, com 5 parlamentares.

A região Nordeste, com 35 integrantes, tem 11 parlamentares do Estado de Pernambuco. A Bahia e a Paraíba tem a mesma quantidade de parlamentares nos “Cabeças”, seis parlamentares cada uma. O Estado do Ceará tem quatro parlamentares entre os mais influentes. O Estado do Maranhão possui três parlamentares nos “Cabeças” do Congresso Nacional 2020. Empatados, com dois parlamentares nos “Cabeças” estão os estados de Alagoas e Sergipe. Com um representante na eleito está o Estado do Piauí. O Estado do Rio Grande do Norte não possui representante na edição deste ano.

Na região Sudeste, com 34, só Estado de São Paulo tem 18 parlamentares. O Estado do Rio de Janeiro e de Minas Gerais têm oito parlamentares cada. Já o Estado do Espírito Santo não tem representante nesta edição dos “Cabeças” do Congresso Nacional 2020.

A região Sul está representada por 16 parlamentares, sendo três senadores e 13 deputados. Os Estados do Paraná e do Rio Grande do Sul possuem sete parlamentares entre os mais influentes cada. O senador do Rio Grande do Sul é Paulo Paim, que integra todas as 27 edições dos “Cabeças” do Congresso Nacional. Já o Estado de Santa Catarina tem dois representantes na elite do Parlamento.

Por último, a região Centro-Oeste está representada na elite do Congresso Nacional por cinco parlamentares. O estado de Mato Grosso tem dois parlamentares, enquanto Mato Grosso do Sul, Goiás e o Distrito Federal estão representados por um parlamentar cada entre os “Cabeças” do Congresso Nacional 2020.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta