Arthur comemora aprovação da autonomia do Banco Central, que ele sugeriu como senador

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Mais de dez anos após ter deixado o Congresso Nacional, o ex-senador e ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), comemorou a aprovação da autonomia do Banco Central, proposta de sua autoria quando esteve no Senado e que foi reapresentada pelo senador amazonense Plínio Valério (PSDB). “Finalmente, com muito atraso, o Congresso aprova a autonomia do Banco Central. Os presidentes FHC e Lula, por 16 anos seguidos, garantiram essa autonomia na prática. Mas, não a transformaram em lei”, lembrou Virgílio.

Para Arthur, a medida irá impactar de maneira positiva na economia e, consequentemente, deve aumentar a pressão da sociedade por mais reformas. “Arrisco dizer que a autonomia em lei do Banco Central, até a novidade virar paisagem, acrescentará crescimento positivo de 0,5% por ano ao PIB”, avaliou.

Ainda segundo Arthur, o Brasil estava “na idade da pedra”, sujeito a pensamentos demagógicos, como ignorar a realidade do mercado ao tratar de juros. “Como presidente, Dilma Roussef e o ministro Guido Mantega pensavam diferente, o Banco Central voltou a ser mero departamento do Ministério da Fazenda. Grande retrocesso”, pontuou Arthur Virgílio.

O ex-senador, que também atuou como ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República no governo FHC, acredita que com a autonomia do Banco Central em lei, a economia se planejará sem sobressaltos. “É um grande passo na direção da maioridade econômica do país. Que venham as reformas agora”, finalizou.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta