Amazonino e Braga se encontram, conversam longamente e agitam de vez o meio político

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O meio político do Amazonas está agitado depois de uma longa conversa ocorrida no final de semana, entre o governador Amazonino Mendes (PDT) e o senador Eduardo Braga (MDB). Oficialmente, nenhum dos dois confirma o encontro, mas ele aconteceu e significou uma reaproximação política. Eles já foram aliados e adversários em várias ocasiões e no ano passado disputaram a eleição para o Governo em eleição suplementar, passando para o segundo turno.

Pouco se divulgou sobre o teor da conversa, mas uma fonte do blog diz que Braga se colocou à disposição para ajudar Amazonino em Brasília, na busca de recursos e de apoio a projetos do Estado. O senador já tinha dito publicamente que estava à disposição do governador, inclusive no dia seguinte ao segundo turno da eleição suplementar, quando ligou para o adversário, parabenizou-o, reconheceu o resultado como legítimo e disse que colocava o mandato a serviço do Estado.

Amazonino vinha relutando em conversar com Braga, apesar de todos os rumores dando conta de uma aproximação entre os dois. O encontro foi facilitado pela mudança na conjuntura local, depois que o senador Omar Aziz (PSD), principal aliado do governador na eleição do ano passado, afastou-se dele e reuniu-se a um grupo que iniciou um movimento de oposição discreta.

Braga havia conversado com Omar em Brasília, na semana anterior ao Carnaval, e foi convidado a fazer parte do movimento. Ele manteve-se, entretanto, equidistante em relação ao assunto.

Em conversa com o blog, na semana passada, o senador disse que faria uma campanha de reeleição propositiva, sem se envolver em polêmicas nem entrando em atrito com nenhuma liderança.

Neste final de semana, após a conversa, Braga recolheu-se.

IDAS E VINDAS

Braga iniciou a carreira política como vereador em Manaus, em 1982, fazendo oposição a Amazonino, prefeito nomeado pelo então governador Gilberto Mestrinho. os dois aproximaram-se no final daquela gestão e disputaram juntos a eleição de 1986, quando o “Negão” elegeu-se governador pela primeira vez e o atual senador elegeu-se deputado estadual.

Em 1990, Amazonino se elegeu senador e Braga deputado federal, no mesmo partido, o PDC. Dois anos depois, formaram a chapa que ganhou a Prefeitura de Manaus. Em 1994, o governador renunciou ao mandato para disputar novamente o Governo, deixando o atual senador em seu lugar.

O primeiro rompimento ocorreu em 1998, quando Braga decidiu disputar o Governo e acabou perdendo para Amazonino, em eleição das mais contestadas. Em 2000, o governador apoiou a reeleição do prefeito de Manaus, Alfredo Nascimento, que venceu Braga. Dois anos depois, Amazonino surpreendeu ao apoiar o ex-aliado para sucede-lo no Governo.

Braga retribuiu o apoio ajudando Amazonino na eleição de 2004, quando perderam para Serafim Corrêa a eleição para a Prefeitura de Manaus.

Em 2006, novo rompimento, quando Amazonino decidiu disputar o Governo e perdeu para o reeleito Braga. O reencontro ocorreu no segundo turno da eleição para prefeito de Manaus, em 2008, quando Braga apoiou Amazonino, que venceu a eleição, dando o troco em Serafim.

Os dois voltaram a se desentender em 2012, quando Amazonino preferiu apoiar Arthur Neto na eleição contra Vanessa Grazziotin, candidata de Braga a prefeita de Manaus. Reuniram-se novamente m 2014, no pleito em que Braga foi derrotado por José Melo. E estiveram em lados opostos em 2016 (Amazonino com Marcelo Ramos e Braga com Arthur Neto), na disputa pela Prefeitura de Manaus.

No ano passado, disputaram o Governo, em eleição suplementar, com vitória de Amazonino, no tira-teima entre os dois.

Qual Sua Opinião? Comente:

Este post tem um comentário

  1. Warrington Redman Batista

    Uma verdadeira palhaçada essa alternância de poder e a oposição se iludindo.
    A corda minha gente ta na hora

Deixe uma resposta