Amazonas recupera 76 mil doses “perdidas” para o Amapá e recebe mais 42 mil doses extras

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O lote de 76 mil doses de vacinas contra a Covid-19 do tipo AstraZeneca/Oxford, enviadas por engano pelo Ministério da Saúde (MS) ao Amapá chegou na madrugada de hoje a Manaus, em avião fretado pelo Governo do Amazonas. Serão usadas na vacinação do grupo prioritário entre 60 e 69 anos de idade. Já pela manhã mais 42 mil doses da vacina do tipo CoronaVac, do Instituto Butantan, totalizaram o lote dedicado à próxima etapa da vacinação.

Ainda de madrugada a Fundação de Vigilância em Saúde enviou as doses aos municípios. “Há uma união em torno do combate à pandemia e de soluções para que possamos voltar a nossa vida à normalidade. O Governo Federal tem correspondido com o envio dessas vacinas, inclusive com doses a mais, levando em consideração a nossa situação, e nós estamos dando a resposta sendo o estado que mais tem vacinado no Brasil”, enfatizou o governador Wilson Lima (PSC).

Conforme o  Plano Operacional da Campanha de Vacinação contra Covid-19 no Amazonas, desenvolvido pela FVS-AM, com base nas orientações do MS, nesta primeira fase da vacinação, está prevista a imunização de pessoas que estejam nos seguintes grupos prioritários: povos indígenas vivendo em terras indígenas, trabalhadores de saúde, pessoas de 80 anos ou mais, pessoas de 75 a 79 anos, pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas, além de pessoas institucionalizadas com deficiência.

Em todo o estado, já foram aplicadas 259.439 doses de vacina até esta quarta-feira (24/02), sendo 225.662 de primeira dose e 33.777 de segunda dose, de acordo com dados parciais do Programa Nacional de Imunização, da FVS-AM (PNI/FVS-AM).

“De alguns municípios, o prefeito vem buscar, se eles estiverem na capital. Outros encaminham um representante documentado pela Secretaria Municipal de Saúde, ele vem com escolta particular ou solicita escolta do Estado, da Polícia Militar, e o deslocamento é de acordo com a localização dele. Pode ser fluvial, terrestre, aéreo ou misto. Só quando tiverem essa informação de como será realizado o transporte em segurança, para que as vacinas cheguem com qualidade, na temperatura para manter a eficácia, é que eles fazem o agendamento”, detalhou a enfermeira do departamento de Vigilância Epidemiológica da FVS, Ângela Desiree Carepa.

Ela ressaltou, ainda, que todos os municípios receberão a reserva técnica das vacinas.

“Todos os municípios irão receber o seu quantitativo, mais a reserva técnica, como foi nas outras remessas. Essa reserva é utilizada em caso de perda física ou técnica, quebra de frasco, aumento de temperatura, ou se abriu o frasco e chegou o horário e não tem mais aquele grupo, aquela população para ser vacinada. Se a vacina é de oito horas, já encerrou o expediente e não tem como vacinar, é considerada uma perda, e aí se faz a reposição com essa reserva”, acrescentou Ângela.

O Amazonas ocupa o primeiro lugar no ranking nacional de Estados que mais vacinaram no Brasil, de acordo com dados de um consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, O Globo, Extra, O Estado de S. Paulo (Estadão), Folha de S. Paulo e UOL. O estado vacinou, até esta quarta-feira (24/02), 5,36% da população.

Remessas – Além desta remessa, o Ministério da Saúde já destinou outras quatro ao Amazonas. No primeiro lote, em 18 de janeiro, o estado recebeu 282.320 doses da CoronaVac.  No dia 23 de janeiro, outras 132.500 mil doses da AstraZeneca desembarcaram no estado. Em 25 de janeiro, o estado recebeu 44.600 doses da CoronaVac. A quarta remessa, com 96.200 unidades da CoronaVac, chegou ao Amazonas no dia 7 de fevereiro.

FOTO: Diego Peres

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta