Adoção de crianças com deficiência ainda é um fato muito raro no Amazonas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Em cinco anos, apenas três crianças com deficiência finalizaram o processo de adoção no Abrigo Moacyr Alves, a maior instituição social que trabalha com este público. Essa estatística, infelizmente,  ainda é uma realidade na maioria destas instituições.

Desde julho de 2018 existe o projeto “Encontrar alguém”, da Coordenadoria da Infância e Juventude, que incentiva a adoção de crianças e adolescentes de difícil colocação em família substituta, seja por questões de idade ou por apresentarem condições especiais de saúde.

Edinês Oliveira, que participa ativamente do Projeto “Madrinhas e Padrinhos Afetivos” do Abrigo Moacyr, tomou a decisão em dezembro de 2016, de adotar de forma efetiva o pré-adolescente Alexandre da Silva, atualmente com 13 anos. Mãe de duas meninas, Edinês falou que o amor foi crescendo com o passar dos dias, transformando em certeza a decisão de adotar Alexandre.

“Nossa vida mudou bastante, e mudou para melhor. O Raí (meu marido e pai adotivo do Alexandre) já tinha um filho e a doação do “Xande” complementou nossa família, trazendo mais alegria para cada um de nós”, ressaltou Edinês, lembrando que a adoção não é um gesto de caridade, na verdade representa a essência do amor, a característica principal de uma família.

Vencendo barreiras

Por outro lado, as instituições sociais têm procurado vencer as dificuldades financeiras impostas pela pandemia em todo o mundo. No Abrigo Moacyr Alves,  64 crianças e adolescentes acolhidos recebem atendimento especializado e individualizado de acordo com as necessidades de cada acolhido. Ali eles têm acompanhamento pedagógico, fisioterapia, psicologia, serviço social, serviços médicos, fonoaudilogia, odontologia e nutrição.

O público acolhido na instituição também participa de atividades complementares, como hidroginástica, música,  jiu-jitsu,  balé,  capoeira,  dança aeróbica,  dança de salão,  meditação,  corte e costura e outros que, antes da pandemia da COVID-19, eram ampliados para os familiares e comunidade de forma totalmente gratuita.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta