A saúde pede socorro

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Estive internado por 5 dias no Pronto Socorro Platão Araújo, na Zona Leste da cidade. Ali fui muito bem tratado pelos profissionais daquela casa de saúde. Médicos, enfermeiros, auxiliares e demais funcionários atenciosos e competentes. Quero personificar este bom atendimento na figura da Doutora Rachel Belém, jovem médica, dedicada, atenciosa e extremamente humana no tratamento de seus pacientes.

Contudo, estes dedicado profissionais sofrem com a ausência de estrutura para o desempenho melhor de suas funções. Muitas vezes faltam insumos básicos, pasmem leitores: Até material de limpeza. Minha esposa teve que comprar produtos para dar um trato melhor no banheiro da enfermaria onde eu estava internado!

Outro problema. A falta de recursos humanos. Conversei com uma enfermeira muito competente, que me revelou estar a cuidar de 37 pacientes. Imagine, cuidar sozinha de tantos pacientes. Isto causa um tremendo desgaste e é humanamente impossível atender tal demanda.

Saí do hospital a meditar profundamente sobre o desvios de milhões de reais da saúde em nosso Estado. Quantas vida poderia ser salvas; quantos médicos poderiam ser contratados. Quem rouba o dinheiro da saúde na verdade é desavergonhado assassino. Quem rouba dinheiro da saúde deveria cumprir rigorosa pena em nossas prisões. Contudo, estes larápios continuam soltos a rir do contribuinte, certamente já elucubrando novos e sórdidos golpes. Infelizmente, nossa justiça é capaz de encarcerar uma mulher que rouba uma lata de leite para o seu filho, mas é condescendente com os grandes ladrões do erário público.

Se eu tivesse a oportunidade de estar frente à frente com o Governador, só lhe pediria uma coisa: Governador, socorra a saúde, afinal o senhor parece vir de origem humilde. Percorra os hospitais e prontos socorros; constate in loco suas necessidades. Nossa saúde está a pedir socorro com urgência; vidas devem ser sempre a prioridade de qualquer governo!

Que Deus ilumine nossas autoridades. É o meu clamor. É a minha oração!

*O autor é pedagôgo e pastor da Igreja de Deus Pentecostal do Brasil

Qual Sua Opinião? Comente: