A ignorância é orgulhosa

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Por Edilson Martins*

No momento em que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, profere lorotas e desinformações com empáfia, vale a pena ouvir Artur Virgílio.

Já que o Sul/Sudeste insiste em revelar déficit de percepção em relação à Amazônia, Artur, atual prefeito de Manaus, põe o dedo na ferida.

Juntamente com Tasso Jereissati – nível nacional – é o que sobrou de palatável dos antigos tucanos.

Tudo o mais derreteu.

Sempre ameaçada pelos interesses hegemônicos da indústria do sul, que nunca cessaram, Artur lembra que a Zona Franca ajuda a sustentar, manter em pé, a floresta amazônica.

– O interesse sobre a Amazônia é planetário, assim ele entende. Proteger, resgatar e fazer crescer o polo sem chaminés de Manaus, deveria ser prioridade nacional.

Ele prossegue lembrando que se a população avançar sobre a floresta, a biodiversidade será destruída, o regime de chuvas vai alterar o Brasil, e parte do mundo, nossos rios, que depositam 20% das águas do oceano, perderão peso e riqueza.

O polo industrial de Manaus gera mais de 100 mil empregos diretos, e uns 600 mil indiretos, impede o avanço nas florestas, destruindo-as, conforme já aconteceu no Pará, Rondônia, e não menos em Mato Grosso do norte.

É de pasmar um ministro do Meio Ambiente que nunca pôs os pés, sequer a cabeça, na Amazônia.

*O autor é jornalista

Qual Sua Opinião? Comente: