Prefeitura não fará novo hospital de campanha, mas quer credenciar uma nova unidade

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

“Não vamos adotar o hospital de campanha. Estamos buscando credenciamento do Hospital Nilton Lins para que a Prefeitura, que já tem uma unidade instalada dentro desse hospital, possa trabalhar em parceria com o governo do Estado. Pretendemos comprar diárias de leitos de UTI, Unidade de Terapia Intensiva, e clínicos. Para isso, precisamos fazer com que o Ministério da Saúde credencie esse modelo, para que não haja nenhum problema. Todos os hospitais de campanha instalados no Brasil deram problemas na contratação, porque a prefeitura tem, constitucionalmente, a responsabilidade da atenção básica. Não posso estar contratando atendimento de média e alta complexidade”. A afirmação é do prefeito David Almeida (Avante).

O novo prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), prepara um pacote de medidas para combater a pandemia da Covid-19 na Capital.  O anúncio foi feito nesta sexta-feira, 1º/1, primeiro dia de seu mandato, durante lançamento de ações integradas das secretarias de Infraestrutura (Seminf) e de Limpeza Urbana (Semulsp), no bairro Colônia Antônio Aleixo, zona Leste.

Na próxima segunda-feira, 4/1, o prefeito de Manaus se reunirá com representantes do Ministério da Saúde. Na ocasião, novas medidas serão discutidas para combater o novo pico da doença na Capital do Amazonas.

David Almeida disse que busca parceria com o Governo do Estado para reabrir o hospital de campanha Nilton Lins, que possui 350 leitos, mas que a ação da Prefeitura deve ser condizente com as prerrogativas legais do próprio poder municipal na questão da saúde.

Prevenção

O prefeito de Manaus fez um apelo à população para que as medidas de segurança não sejam deixadas de lado.  David enfatizou a importância de manter o distanciamento social e a utilização de máscaras.

“A situação é gravíssima. Manaus foi a primeira cidade do Brasil a entrar em colapso na saúde pública, a primeira capital a sair e está sendo a primeira a voltar com esse problema. França, Itália e Alemanha estão fechadas em lockdown. Não será diferente aqui se não tomarmos essa atitude (prevenção). A população precisa colaborar e, certamente, a prefeitura dará a sua contribuição com campanhas educativas e atuando na área da saúde em parceria com o Governo do Estado e o Federal”. O prefeito destacou que a economia é importante, mas que também não se pode descuidar da prevenção na saúde durante a pandemia.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta